Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Leandro Castán e Fábio Santos pregam cautela no Corinthians

Defensores tentam evitar o clima de otimismo e empolgação no clube após o empate com o Boca Juniors fora da casa

FÁBIO HECICO, estadão.com.br

29 de junho de 2012 | 18h21

SÃO PAULO - Escaldados pelos últimos tropeços do Corinthians na Libertadores, Leandro Castán e Fábio Santos pediram cautela nesta sexta-feira, um dia após o desembarque do time em São Paulo. Os jogadores tentam evitar o clima de otimismo na torcida depois do empate com o Boca Juniors, por 1 a 1, no jogo de ida, em Buenos Aires.

"Estamos bem próximos [do título], mas não ganhamos ainda. Temos mais 90 minutos pela frente. Nunca estivemos tão perto, mas temos que ter os pés no chão", alertou Castán, que participou da trágica eliminação do Corinthians diante do Tolima, no ano passado.

Para o lateral-esquerdo, o time deve manter a postura discreta já apresentada contra o Santos e na reta final do Brasileirão de 2011. "No Brasileiro, vocês [jornalistas] viram que ninguém ficou empolgado. Neste ano, empatamos com o Vasco fora e mantivemos os pés no chão, assim como contra o Santos. E agora a postura deve ser igual. Estou feliz por viver este momento, mas estamos cientes de que ainda faltam 90 minutos para concretizar esse sonho", disse Fábio Santos.

Com a intenção de evitar a empolgação, o Corinthians decepcionou a torcida na quinta, ao fazer um desembarque discreto. Sem atender os torcedores, o grupo entrou direto em um ônibus na pista. "Nosso grupo está muito maduro. Sabemos que não ganhamos nada, se não conquistar vai ser mais uma que não ganhou. Mas queremos cravar de vez e não pode ter nenhum mais empolgado que o outro", alertou o lateral.

Em relação ao adversário, Castán acredita que o jogo da volta será novamente equilibrado. "Eu vi os dois jogos do Boca fora de casa e achei a equipe muito parecida com a nossa, com boa defesa e rápido ataque, Mas, no Pacaembu, também somos fortes", avaliou o zagueiro, que rebateu as declarações de Riquelme de que o Boca foi melhor no primeiro jogo.

"Lembrando agora, não consigo citar uma chance clara de gol deles, só a da trave. Eles fizeram o gol em lance de bola parada. Se reclamaram da gente, por termos ficado atrás, vamos ver se eles virão para cima no Pacaembu", alfinetou o zagueiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.