Leandro Damião é absolvido por simular puxão de camisa

Leandro Damião é absolvido por simular puxão de camisa

Procuradoria do STJD ainda pode recorrer ao Pleno do Tribunal; atacante é reserva na equipe comandada por Enderson Moreira

Estadão Conteúdo

29 de outubro de 2014 | 18h49

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) absolveu, nesta quarta-feira, o atacante Leandro Damião pela inovadora simulação de pênalti na partida em que o Santos perdeu para o Criciúma. Naquele jogo, o centroavante puxou a própria camisa na área, tentando induzir o árbitro a marcar falta.

Damião foi julgado pela Terceira Comissão Disciplinar e acabou absolvido com dois votos favoráveis e dois contrários. Pela presunção de inocência, o empate é pró réu e o atacante acabou inocentado em primeira instância. A procuradoria ainda pode recorrer ao Pleno do Tribunal.

No entender do relator do processo, auditor Luiz Felipe Procópio, não é possível afirmar que Damião quis induzir o juiz ao erro. "Se ele quisesse simular pênalti ele teria, no mínimo, caído. Em razão disso eu absolvo o atleta".

O auditor Francisco Pessanha teve opinião contrária: "Se essa moda pegar é um precedente perigoso. Para mim está claramente cometida a infração. Houve uma atitude contrária a ética e se o árbitro marca o pênalti imaginemos o que iria acontecer. Por essas razões aplico a pena mínima convertida em advertência. O atleta tem que ficar ciente que uma punição pode ocorrer".

O auditor Gustavo Texeira acompanhou o relator na absolvição, enquanto o presidente Fabrício Dazzi acompanhou o voto divergente. A procuradoria, representada por Rafael Vanzin, criticou o "ato teatral" de Damião. "É uma afronta, principalmente diante de todas as criticas que vem sendo lançado contra a arbitragem. Os próprios atletas não contribuem com a arbitragem.Com a malandragem", reclamou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantos FCSTJDLeandro Damião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.