Leão ainda espera chegada de um meia

A boa atuação de Marco Antônio, a surpreendente volta de Vélber e o "minishow" de Falcão contra o Ituano, quinta-feira, não foram suficientes para empolgar Emerson Leão. O técnico, que se diz "com os pés no chão", acha que o São Paulo ainda precisa de um meia-armador.Nesta sexta-feira, Leão admitiu que ainda está à espera de alguém que chegue para assumir o posto de armador do time. "O último que tentamos foi o Ramon, mas antes ainda teve o Felipe", revelou Leão. O primeiro fechou com o Botafogo e o segundo, com o Fluminense. "O problema foi financeiro. Foi por isso que perdemos esses jogadores", emendou o treinador, citando ainda o caso do lateral-direito André Cunha, que preferiu acertar por mais dinheiro com o Palmeiras.Leão não quis revelar outros nomes da lista, mas deu a entender que a diretoria ainda procura esse armador. "Não digo que a gente tem urgência em achar esse nome. Urgência seria se a gente não tivesse ninguém para essa posição", explicou.Nesse sentido, Leão elogiou bastante Vélber ("que entrou muito bem") e Marco Antônio ("que pode suprir a ausência, não só momentaneamente, mas também definitivamente, já que tem potencial"). Falcão e Danilo são os outros meias no elenco. "O Falcão ainda precisa de um longo tempo de adaptação. Não podemos nos deixar levar por esses 10 minutos dele contra o Ituano", disse Leão.O superintendente de futebol do São Paulo, Marco Aurélio Cunha, também admitiu que a diretoria está à procura de um meia-armador, mas disse estar difícil achar um nome disponível no mercado. E citou alguns casos de jogadores que foram oferecidos ao clube, como Djalminha e o colombiano Maurício Molina, do Independiente Medellín.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.