Leão aprende com erros de treinadores

O técnico da seleção Émerson Leão deu início, nesta quinta-feira, a um processo de interação com outros treinadores, ao se reunir com três colegas: Valdyr Espinosa, Nelson Rosa e Sebastião Lazaroni. A intenção é acabar com isolamento do cargo de técnico da seleção, ao contrário do que acontecia quando o titular era Wanderley Luxemburgo."Ninguém é uma ilha e consegue trabalhar sozinho", explicou Leão, ressaltando que continua a ter a palavra final sobre os assuntos da seleção. "Isso não interfere no comando porque a comissão técnica ainda é soberana." Antes de escolher Leão para assumir o cargo de técnico, o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, afirmou que o poder do cargo seria reduzido. Leão não quis relacionar as reuniões com essa posição do dirigente."Não sei se é esse o motivo, apenas acredito que o diálogo é para melhorar", disse, lembrando que sempre manteve contato, de forma informal, com outros treinadores.De Sebastião Lazaroni, Leão ouviu uma relação de erros que cometeu na Copa do Mundo de 1990. "O que ele falou foi além do que eu pudesse imaginar. Contou não só falhas cometidas, como apresentou soluções", observou. Ao lembrar que esteve em quatro Mundiais, Leão afirmou que é diferente chegar a uma Copa como treinador. "Assisti às Copas como atleta." Por isso, o treinador ainda pretende se encontrar com Carlos Alberto Parrreira e Zagallo, que comandaram a equipe brasileira nos últimos Mundiais. Ambos não puderam estar presentes porque tiveram outros compromissos. Joel Santana foi outro que faltou à reunião. Antigos integrantes da comissão técnica também serão consultados.Ao explicar a idéia de realizar as reuniões, organizadas pelo coordenador Antônio Lopes, Leão disse que já tinha esta intenção quando ainda não era técnico da seleção. Não há previsão de data ou local para um novo encontro, mas a intenção da comissão técnica é repetir o procedimento em todas as regiões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.