Leão avisa: "Candinho terá trabalho"

Terminado o jogo, Leão foi dar um abraço em Candinho, seu velho amigo, que voltava a dirigir um time brasileiro depois da campanha nada boa no Goiás de 2003. A conversa foi rápida e a conclusão chegou mais rapidamente ainda. "Eu falei que ele vai ter muito trabalho no Palmeiras e ele concordou", disse Leão.Leão, que não reconheceu em nenhum momento que seu time era favorito no clássico, reconheceu nessa frase que a vitória deste domingo era uma obrigação para quem sonha com o título. E, por isso, nem mereceu tantas comemorações assim. "Poderíamos ter feito mais uns dois ou três gols, mas acho que o placar ficou de bom tamanho para os dois times, pois o Sérgio fez boas defesas. Fiquei contente também porque havia 36 mil pessoas assistindo à partida. Isso é ótimo, é a volta da torcida aos estádios. Eu me lembro da decisão do título paulista, em 1971, quando havia mais de 115 mil pagantes no jogo."Em relação à vitória, não havia muito o que comemorar. Não se pode perder tempo. Leão sabe que a concorrência está perto de seu time. "Nós tivemos oportunidade de alcançar a liderança, quando o Santos empatou com a Portuguesa Santista. Na semana seguinte, vacilamos e o Santos nos alcançou. Depois, eles empataram e nós ficamos em primeiro novamente. Por isso, falo aos meus jogadores que não podemos vacilar em nenhum momento. Temos de estar sempre vencendo. Neste domingo conseguimos, e na quinta-feira, temos de repetir a dose contra a Portuguesa Santista."Para esse jogo, Leão não terá Josué e Grafite, suspensos. Luizão, que deixou sua marca, pode ganhar vaga entre os titulares. "Ainda não quero falar sobre isso, mas bom senso indica que o Luizão deva jogar."

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2005 | 20h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.