Leão avisa: quem não estiver bem, sai

Os jogadores do Palmeiras entrarão em campo neste domingo, contra o Atlético Paranaense, no Pacaembu, ?mais espertos? com o técnico Emerson Leão. Primeiro porque o estádio estará vazio (o clube cumpre punição) e os gritos do chefe vão ecoar. E segundo porque ele está contrariado.O empate com o Flamengo (0 a 0) serviu para que Leão passasse recados aos jogadores. O principal: todos terão oportunidade de mostrar serviço. Escalar Gioino foi prova disso. Leão sempre detestou jogadores argentinos. Mesmo assim, não quer ser injusto com ninguém. Vai cortar algumas cabeças porque acha o grupo grande demais. Mas só fará isso após observar a todos em campo.Mais um recado: jogador que não estiver bem nas disputas será sacado, seja quem for. Leão não pensou duas vezes para tirar do jogo de quinta-feira os talentosos Juninho Paulista e Pedrinho, dois meias de sua inteira confiança e que ele elogia sempre que pode por causa do talento com a bola no pés. Ocorre que na Ilha do Governador ambos estavam irreconhecíveis. Pedrinho jogou sempre atrás da marcação, aparecendo pouco para receber a bola. Irritou o treinador. Juninho participou mais do jogo, embora tenha sido medíocre. Errou passes curtos e longos. Não soube sair da marcação. Perdeu quase todas as bolas."Acredito e confio no talento desses dois jogadores. Vou sempre apostar nos talentosos. Mas tem dia que eles não funcionam. São bons jogadores, mas passíveis de erros como qualquer outro", disse o treinador, no desembarque da delegação em São Paulo, nesta sexta.Juninho era o desânimo em pessoa. Parecia menor do que é. Ombros caídos, voz abatida, aceitou sem sobressaltos a decisão do chefe de sacá-lo. "Estava mal mesmo. A partida foi ruim. Fiquei no banco de durante o segundo tempo e vi como a disputa foi de baixa qualidade", disse o meia, arrasado com sua atuação e prometendo se reerguer contra os paranaenses. Juninho tem alterado bons e maus momentos desde a chegada de Leão ao clube.A gritaria generalizada dos palmeirenses atingiu em cheio a punição imposta ao time pelo STJD de ter de enfrentar o Atlético Paranaense sem a presença de sua torcida.O Palmeiras paga pena pela invasão de dois torcedores no clássico com o Corinthians, no Morumbi. O time será obrigado a atuar no Pacaembu - e de portões fechados. "Isso é muito ruim. Estraga o espetáculo. Pune o clube e os atletas. Será meu primeiro jogo sem a presença de torcedores", comentou Juninho.O Atlético-PR está sendo encarado como osso duro de roer. O goleiro Sérgio, por exemplo, dá de ombros para a condição ruim do adversário - 15 pontos, 17.º lugar. "O Atlético é um time perigoso, está se reencontrando na competição."Os palmeirenses comentaram muito a goleada histórica do Atlético Paranaense sobre o Vasco: 7 a 2. Mais um motivo para levar o jogo a sério.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.