Leão diz amanhã se Alex e Elano vão jogar

As chuvas prejudicaram os planos do técnico Leão, que teve de cancelar o treino com bola. Por conta disso, vai definir na manhã desta terça-feira o time que enfrentará quarta o Paulista, em Jundiaí. Ele espera contar com Elano e Alex para essa partida, mas isso só será resolvido depois da avaliação que será feita amanhã. Os dois estão liberados pelos médicos, mas o treinador quer contar com eles completamente recuperados das lesões. O zagueiro André Luís, que viajou para o Rio Grande do Sul para aproveitar a folga de domingo, chegou atrasado ao treino de hoje por conta de um problema em seu vôo. Ele ligou para Leão e teve de ficar treinando sozinho até mais tarde, para compensar o atraso. O treinador não aceitou a justificativa do atleta e acha que é um assunto interno do clube. "Ele me telefonou disse que o vôo estava atrasado e acho que fez bobagem por ter ido ao Rio Grande do Sul num curto espaço de tempo e isso logicamente poderia ocasionar efeitos colaterais, como o de chegar atrasado". O treinador estudou a situação do time no Paulista e sabe que, chegando em primeiro lugar, poderá enfrentar o líder do outro grupo só na semifinal. Portanto, pode ser vantagem ficar em segundo, por conta de um erro no regulamento. "Fiquei três horas estudando isso e não cheguei a uma conclusão. Eu sempre soube que todos os cabeças de chave só se cruzam em final, menos no Paulista. Nós podemos ter, se isso acontecer, uma semifinal contra o São Paulo e isso está errado, tão errado que eles tentaram corrigir e não conseguiram". De qualquer forma, o Santos não vai mudar seu esquema de jogo. "Não posso jogar para perder, jamais vou fazer isso", disse o técnico. Em sua avaliação, é muito difícil o São Paulo perder o primeiro lugar. "Temos 17 pontos e o segundo tem 16. Vamos jogar contra ele em sua casa, mas nós queremos sempre vitória". Gols - Com 22 gols marcados, o Santos tem o melhor ataque do Paulista, mas tem desperdiçado muitas chances em todas as partidas. Segundo as contas de Leão, só no jogo contra o Marília seu time deu 36 chutes a gol e "apresentou a deficiência de ter feito só três e o terceiro só saiu aos 43 do segundo tempo", disse ele. "Sofremos estresse o tempo todo e tinha tudo para golear, mas teve a boa performance do goleiro, facilitamos um pouco. O importante é que o Santos é um time que produz". Leão destacou que, quando sua equipe aproveita as chances, marca oito numa partida, como aconteceu contra o União São João. "Contra o Marília, um time que venceu o Palmeiras e o São Caetano fora de casa e que só conseguimos empatar, podíamos ter feito dez". Com tantas chances desperdiçadas, Leão procura entender o que está acontecendo e analisa: "o atleta do Brasil tem dificuldade quando fica frente a frente com o goleiro, com algumas exceções, como é o caso do Romário, que a cada dez vezes que entra na frente do goleiro, faz sete. Então, o índice dele é muito grande e, por isso ele joga. Mas o índice normal do atleta no mano a mano com o goleiro é 30%". Como ex-goleiro, tem passado algumas dicas para seus jogadores aumentarem a performance nessa situação. Robinho assumiu a artilharia do Santos e Leão entende que "a diferença é que ele agora sentiu o sabor do gol, o que não acontecia antigamente". O treinador destacou que seu atacante disputou cinco partidas no Paulista e marcou seis gols e lembrou que na seleção sub-23 que disputou o pré-olímpico no Chile ele também foi o artilheiro, com três gols marcados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.