Leão diz que Paulo César equilibra o Santos

Paulo César foi contratado para acabar com um problema crônico do Santos em 2003: a lateral-direita. Por lá passaram Reginaldo Araújo e Neném, que não convenceram nem a comissão técnica muito menos a exigente torcida. Para esta temporada, a diretoria santista foi buscar no Paris Saint-Germain o jogador capaz de colocar fim a uma deficiência da equipe. "Estou pronto para jogar. E não estou muito preocupado com o fato de Neném e Reginaldo não terem ido bem. Venho para mostrar a minha qualidade", diz Paulo César, de 25 anos, nascido em Osasco. Sem ser aproveitado no time francês, a diretoria não pensou duas vezes em trazê-lo ao clube. "O time ficou com um bom equilíbrio pelas laterais", elogia o técnico Emerson Leão. "Há uma ótima alternância de ambos os lados, tanto com o Léo quanto com o Paulo César." O lateral tem contrato até o final do ano, e, apesar de ter se destacado na lateral-esquerda do Fluminense (pela equipe carioca chegou à seleção brasileira), não vê problemas em atuar pela direita. "Jogo nas duas, mas vim para o Santos para jogar na lateral-direita." Além da lateral, Paulo César já atuou no meio-de-campo. "Foi no Paris Saint-Germain. Lá, joguei nas laterais e no meio, mas como eu não estava sendo aproveitado. Às vezes jogava, às vezes não. Ficava no banco. Por isso preferi voltar para o Brasil, e na minha decisão pesou muito o fato de ser o Santos", afirma o lateral, que tem como principal característica o bom cruzamento, coisa que desde a saída de Maurinho não acontecia com tanta freqüência na lateral-direita do Santos. "Tenho um bom cruzamento, mas o mais importante é que o grupo tem me ajudado", comenta Paulo César, que a cada dia convence mais Leão, que não cansa de elogiar o jogador, que trouxe equilíbrio ao time. Apesar de saber que atuará em um dos principais times do momento, Paulo César ainda não mostra preocupação em voltar à seleção. Segundo ele, nem pensou nessa possibilidade quando decidiu retornar ao futebol brasileiro."Primeiro quero me firmar no Santos, mostrar que tenho condição. Só depois é que pensarei em seleção. A situação que o Santos vive foi mesmo o que me trouxe de volta ao Brasil." Enquanto o sonho de voltar a vestir a camisa do Brasil não retorna, Paulo César espera realizar um outro desejo: disputar um Campeonato Paulista. Revelado pelo Nacional da capital (também esteve no Flamengo, além de Fluminense e PSG), o atleta jogou apenas a Série A3. "Será uma competição muito importante, assim como a Libertadores. Sempre quis jogar um Paulista, dá um gosto maior, ainda mais porque o Santos não vence há algum tempo (desde 1984). Isso dá um gosto maior." Nesta sexta-feira, a equipe realizou o quarto treinamento coletivo da semana. Desta vez, os goleiros que se revezaram no time titular foram Mauro e Doni. Leão aproveitou para comentar o interesse em Kléber, centroavante do Tigres, do México - o clube mexicano aceito reduzir o valor do empréstimo de US$ 500 mil para US$ 300 mil, por seis meses. Mas o treinador santista já antecipou: "Por esse valor fica difícil. A grande dificuldade é o lado financeiro." Leão disse ainda que o lateral-direito Marco Aurélio e o atacante Flávio deverão assinar um ´contrato de risco´ de três meses, porque têm se destacado nos treinamentos. O técnico comentou ainda as especulações de que Ricardinho poderia ir para o Santos. "Não foi cogitado nenhuma vez o nome do Ricardo, por isso não tem novidade nenhuma. O que eu digo é que é um desperdício um jogador como ele ficar sem clube. Temos ouvido apenas o interesse do Corinthians."

Agencia Estado,

16 de janeiro de 2004 | 19h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.