Leão diz que sua saída do Palmeiras foi muito tranqüila

Algumas horas depois da confirmação de sua saída do Palmeiras, o treinador Emerson Leão contou que seu desligamento foi muito tranqüilo. De acordo com o técnico, tudo foi resolvido em uma conversa por telefone na noite do domingo. "Tive um diálogo pelo telefone com o Salvador Hugo Palaia (diretor de futebol) e, na verdade, fui demitido. Mas tudo num clima bem tranqüilo, sem traumas. Encontrei com o presidente e com o Palaia hoje (segunda-feira) e tudo foi acertado no maior profissionalismo", disse Leão, em entrevista à Rádio Jovem Pan.O treinador acredita que está saindo do Palmeiras com a cabeça erguida. "No ano passado, assumi com o time em 16.º lugar e com risco de rebaixamento. Classificamos para a Libertadores e continuamos com chances na Libertadores. Foram 10 meses de ótimo convívio com a diretoria e com os jogadores. Não tenho raiva nenhuma. Nem da torcida", comentou.Há alguns meses, Leão contou que jogador tem condições de derrubar um treinador. Desta vez, no entanto, o técnico tem certeza de que isso não aconteceu com ele no Palmeiras, apesar dos últimos maus resultados - inclusive a goleada sofrida contra o Figueirense por 6 a 1, em Florianópolis. "Não posso reclamar nada do grupo do Palmeiras. A gente tinha cumplicidade", afirmou.Com um problema de tendinite do braço direito, Leão só pensa agora em se tratar e resolver assuntos particulares no futuro próximo. Sobre propostas para trabalhar, o treinador disse que está à disposição. "Celular pega em qualquer lugar. O meu está ligado", disse.

Agencia Estado,

24 de abril de 2006 | 12h42

Tudo o que sabemos sobre:
libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.