Leão: "Dois anos que valeram por dez"

Emerson Leão era o centro das atenções no desembarque do Santos, nesta madrugada de sexta-feira, no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, depois da derrota para a LDU, por 4 a 2, na quarta-feira, na partida de ida das oitavas-de-final da Taça Libertadores. O ex-treinador santista era o alvo dos jornalistas, atrás de explicações sobre a sua saída do clube. Mas Leão não quis falar. Apenas deu um depoimento, em tom de despedida. Agradeceu jogadores, diretoria, torcedores e a cidade de Santos. Resolveu falar algumas horas depois. E explicou a sua saída. ?Já sabia que a situação começava a se deteriorar. A vitória (sobre a LDU) iria apenas encobrir mais um pouco. Fiquei dois anos no Santos, que valeram por dez, mas o desgaste é natural?, comentou Leão. ?Meu relacionamento com o Santos deteriorou muito, mas continua uma boa casa de trabalho. A minha saída foi até legal. Eu me relaciono muito bem com o Marcelo Teixeira (presidente do Santos).? Para o treinador, o fato de os técnicos brasileiros terem de fazer diversas funções em um time de futebol desgasta a imagem deles.?O desgaste ocorre porque, no Brasil, não somos apenas treinadores. Os europeus é que são treinadores, porque têm seis ou sete auxiliares, que resolvem os problemas fora do campo. Nós, técnicos brasileiros, somos os ?faz-tudo? no clube. Por causa da incompetência dos outros?, desabafou Leão. Para o seu lugar, o próprio treinador indicou alguns nomes para a diretoria santista. ?Eu disse dois nomes: o de Zetti, que cansei de elogiar nas finais do Campeonato Paulista. Tem também o Geninho, que é da cidade. O resto eu não comentei?, disse Leão, referindo-se, entre outros, ao técnico Vanderlei Luxemburgo. Sobre o seu futuro, Emerson Leão disse que foi procurado por um empresário ligado ao Botafogo, mas não quis aceitar a oferta.?O Botafogo me procurou mesmo, mas eu agradeci. Quero passar o Dia das Mães em São Paulo, coisa que não faço há muito tempo.?E foi claro: nunca passou pela sua cabeça ocupar o cargo de Oswaldo de Oliveira no Corinthians. ?Pelo amor de Deus! Jamais aceitaria ouvir outro clube que tenha treinador, principalmente sendo meu amigo, como o Oswaldo. Eu desejo que tenham compreensão com ele?, garantiu o técnico. Leão aproveitou para esclarecer definitivamente as dúvidas sobre o seu relacionamento com Diego. Desmentiu com veemência que o jovem meia teria sido o responsável por sua saída do clube.?É mentira. Nenhum atleta tem condição de impor nada. Inclusive o Diego foi me agradecer, disse que eu era profissional. Quem não conhece a situação fala bobagem.? Na segunda-feira, Leão estará de volta ao Santos. Porém, apenas para buscar as suas coisas. E prevê muitas dificuldades para a equipe que enfrentará a LDU, terça-feira, na Vila Belmiro. ?Não tem defesa (os zagueiros Alcides, Alex e Pereira estão machucados), o novo técnico terá de improvisar, talvez escalar o Narciso?, alertou Leão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.