Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Leão elogia o time mas não perdoa Léo

O técnico Emerson Leão não conseguiu disfarçar a alegria pela atuação do time na vitória por 3 a 1 contra o Santo André, hoje, em Santo André, mas mesmo assim, na coletiva à imprensa, após a partida, não perdoou o comportamento do lateral-esquerdo Léo, que recebeu o cartão amarelo aos seis minutos do primeiro tempo, por reclamar ostensivamente da marcação de uma falta. "Ele errou porque o juiz poderia ser mais rigoroso e expulsá-lo de campo, comprometendo o trabalho dos companheiros num jogo importante", disse o treinador, que procurou não carregar nos elogios, preferindo justificar mais uma fraca atuação do centroavante que ele indicou para ser a solução para a camisa 9 do Santos. "Robson tem compensado a ausência do gol com grande aplicação, tanto que a torcida tem entendido o que está se passando. A qualquer momento, o gol dele vai sair.? Leão aproveitou para contar que há uma corrente entre os jogadores do Santos para fazer com que Robson quebre o jejum de gols. "Todo mundo quer criar o lance para que ele faça o gol. O engraçado é que, durante uma conversa, distraído, Lopes disse que também vem tentando ajudar o companheiro e que no jogo da Libertadores, no Chile, ele caiu algumas vezes na área para cavar para Robson bater. Foi uma gargalhada geral porque o Lopes entrou no jogo substituindo Robson." Ao contrário de Robson, Basílio só tem motivos para comemorar. Contratado para ser o reserva do Robinho, já se tornou titular e o artilheiro do time na temporada, com cinco gols. "Sempre quis jogar no Santos e trabalhar com Leão e como está tudo dando certo, a minha alegria é completa. É uma grande felicidade estar no grupo." Leão disse que não está surpreso com o sucesso do atacante. "Ele só está repetindo o que fez em outros clubes. O que está ajudando é que ele se entrosou rapidamente e parece que já está no time há muito tempo." Apesar do ambiente alegre, os jogadores se queixaram das más condições do gramado do estádio Bruno José Daniel. "No começo, o nosso time sentiu demais. Principalmente os meias e os atacantes, que não conseguiam dominar a bola e nem fazer o passe certo", disse o central Alex. Doni, que sentiu dores no músculo posterior da coxa direita, disse que o problema não o incomoda. "Apenas evitei continuar cobrando os tiros de meta para não forçar, mas não é nada grave", garantiu o goleiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.