Leão encontra o culpado pela derrota do Santos: Evo Morales

Presença do presidente da Bolívia no estádio teria intimidado o árbitro da partida, o equatoriano Samuel Haro

Sanches Filho, Especial para O Estado de S. Paulo

20 de março de 2008 | 19h57

Leão acredita que fatores extra-campo foram decisivos para que o Santos não ganhasse do San José, na quarta-feira à noite, em Oruro, pelo Grupo 6 da Copa Libertadores da América. Para o treinador, o árbitro equatoriano Samuel Haro deixou de marcar pênalti em Kleber Pereira, no fim do primeiro tempo, por se sentir pressionado pela presença do presidente da Bolívia, Evo Morales, no estádio Jesús Bermúdez."Era aniversário do clube, que fez 66 anos, e houve pressão para o San José vencer. Acredito que a presença do presidente boliviano pesou bastante. Esperamos não precisar de nada especial para ganhar o jogo de volta, na Vila Belmiro", afirmou o treinador, no desembarque da delegação, na tarde desta quinta-feira, no Aeroporto Internacional de São Paulo (Cumbica).Mas Leão foi exceção. Vários jogadores reconheceram que se o time não conseguiu vencer do adversário mais fraco do grupo não foi por culpa do desconforto causado pela altitude de 3.706 metros e tampouco devido à falha do juiz, mas sim pelos erros do time na marcação e na hora de concluir para o gol. "O segundo gol do San José saiu porque a nossa marcação não foi certa. Eu tentei pegar o jogador que poderia receber a bola e Anderson Salles ficou parado, acreditando que o lateral deles fosse passar a bola, mas ele foi entrando e fez o gol", reconheceu o zagueiro Domingos. O defensor também lamentou as muitas oportunidades desperdiçadas. "Tivemos chances para decidir o jogo ainda no primeiro tempo, mas erramos nos detalhes", acrescentou.Para o atacante argentino Mariano Tripodi, que entrou no segundo tempo, apesar da derrota, o Santos jogou e mostrou que tem futebol para se classificar nos dois jogos na Vila Belmiro, contra o mesmo San José, no dia 1º de abril, e Cúcuta, no dia 16. "O resultado foi decepcionante principalmente pelas circunstâncias do jogo, porque foi o Santos que criou mais lances de gols", disse.Embora ainda não tenha marcado gol nas sete oportunidades como titular, Tripodi tem esperança de ser o escolhido de Leão, no treino da manhã desta sexta-feira, no CT Rei Pelé, para substituir Kleber Pereira (suspenso pelo terceiro cartão amarelo) contra o Guaratinguetá, domingo à noite, no Vale do Paraíba. "Estou trabalhando para isso. Conseguir a classificação não será fácil, mas não podemos descartar o Campeonato Paulista. Vamos jogar para ganhar do Guaratinguetá e seguir vivo na competição", afirmou.Além de Tripodi, Leão tem Renatinho, Moraes, Alemão, Tiago Luís e Rodrigo Tabata para o ataque, mas nenhum deles agrada ao técnico santista. "A realidade é que perdemos o nosso artilheiro, o jogador que faz todos os gols do time, e infelizmente não temos substituto à altura", queixou-se.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.