Leão, entre o alívio e a preocupação

A derrota para o Brasiliense e a quebra da invencibilidade de dez jogos no Campeonato Brasileiro causaram dois sentimentos no técnico Emerson Leão. O primeiro é o de preocupação. ?É preciso tomar cuidado para que o time não sofra uma queda de rendimento.? Alívio: ?Os jogadores vão colocar os pés no chão e se concentrar mais nas partidas.? O treinador palmeirense garante que vai conduzir o time com ?rédeas curtas?. ?Não se pode superestimar a boa fase.? O oitavo lugar no Brasileiro não satisfaz Leão. ?Encontrei um Palmeiras nota cinco e continua nota cinco.? Contusões e jogadores fora da forma física ideal são os maiores obstáculos para a formação do melhor time possível. O grande problema está no ataque, setor que tem Warley e Gioino contundidos. Muñoz ainda se recupera de duas cirurgias no joelho direito. O colombiano voltou aos treinamentos com bola esta semana, após um ano afastado. Leão pretende utilizá-lo gradativamente na equipe, mas o objetivo principal está em recuperá-lo para a próxima temporada. No coletivo de hoje à tarde, Leão escalou Marcinho e Washington, mas a produção do ataque não foi boa. O goleiro Marcos, que atuou pela equipe reserva, pouco foi exigido. No meio-de-campo, Diego Souza é o jogador que pode ganhar mais espaço. Recentemente reintegrado, após três meses no futebol japonês, o meia deve ganhar a vaga de Pedrinho ou Juninho. ?É talentoso, chuta bem e é forte.? O trabalho de Leão juntamente com o presidente Affonso Della Monica e o diretor de Futebol, Salvador Hugo Palaia, mostra entrosamento. ?Um confia no outro e os dois confiam em mim.? OSCAR - Leão visa a conquista de uma vaga na Libertadores e, evidentemente, o título brasileiro. Mas seus olhos já estão voltados para 2006. ?Já sei quem é quem no grupo?, disse. ?Um time não se faz só de craques. Às vezes, um nota cinco pode resolver. Um coadjuvante também ganha Oscar?, comparou o técnico, que não pediu contratação desde sua chegada. ?Mas para vir jogar no Palmeiras, o atleta precisa ser nota 8.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.