Leão espera que Alex viaje para o Equador

O zagueiro Alex aproveitou a folga na rodada do final de semana e viajou para a Holanda e hoje fez exames médicos no PSV Eindhoven, time que deverá defender depois do término da Libertadores da América. Hoje, o técnico Leão confirmou a viagem do atleta, mas evitou comentários sobre a transação, que estaria sendo fechada numa cifra entre US$ 9 milhões e US$ 10 milhões. O Santos detém metade dos direitos federativos do jogador e o presidente Marcelo Teixeira havia imposto a liberação apenas no segundo semestre, mas até hoje os dirigentes negavam que o negócio já estivesse fechado. Segundo Leão, "é possível a venda do Alex, com entrega depois da Libertadores, e se houver boas propostas para outros jogadores, o Marcelo Teixeira vai analisar. Dependendo da vantagem e de quando vai entregar, pode sair negócio, pois o futebol brasileiro vive da venda de bons atletas". Caso a transação ocorra como o previsto, Leão acha que o jogador não mudará seu comportamento dentro de campo nos meses que faltarem para jogar na Europa. "Temos que ter consciência e lidar com bom senso, pois ninguém joga preservando uma situação; o jogador pensa em vencer as partidas para ser merecedor da fama que adquiriu com as vitórias". Leão revelou que o jogador deve ser apresentar para a viagem ao Equador no domingo à noite com os outros atletas e, se isso não acontecer, outro zagueiro irá em seu lugar. "Se voltar, ele joga", disse Leão, demonstrando preocupação com a situação de Pereira, o substituto direto de Alex. "Seu contrato vence dia 2 e se não for renovado, nem poderá viajar", disse o treinador. Pereira revelou que já está em entendimentos com a diretoria para a renovação do compromisso e acredita que chegará a um acordo nas próximas horas. O técnico santista, que descobriu e lançou Alex, encara com naturalidade a transferência de seu atleta. "Qualquer proposta será bem recebida no Brasil, não só no Santos, porque todos os jogadores brasileiros estão à venda, é tudo uma questão de preço, nada mais do que isso".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.