Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Leão insiste e pede mais chutes a gol

O São Paulo continua com a obrigação de dar pelo menos vinte chutes a gol por jogo. Leão acredita que essa foi a chave da goleada por 7 a 0 sobre o Paysandu e quer repeti-la no clássico deste sábado contra o Palmeiras, no Morumbi."Naquele jogo, demos 18 chutes e, além disso, a bola passeou muito na área deles. Temos de chutar. Quanto mais fizermos isso, mais fácil será vencer", afirma o técnico do São Paulo.Leão deverá fazer apenas uma mudança em relação à equipe que começou a última partida. Apesar de Renan ter mais saída de bola, Alê é um marcador mais duro. E, como o técnico do São Paulo está preocupado com a boa fase de Pedrinho, o último deve ficar com a vaga. "Hoje em dia ninguém dá moleza para jogador bom", justifica."São Paulo e Palmeiras fizeram oito gols nos dois últimos jogos. Os dois estão transpirando inspiração e alegria ofensivas. Por isso vão atacar", acredita Leão.O caminho das pedras é pelos lados, uma vez mais. Leão está muito contente com o rendimento de seus alas. Cicinho é elogiado pelos gols que marcou, mas também pela movimentação que tem dado ao time. E Júnior, pela precisão dos passes. "Cruzou na cabeça do Cicinho no jogo contra o Grêmio e deu o passe para o gol do Souza contra o Paysandu", lembra o treinador.O técnico tem lutado também por uma mudança de postura na hora do cruzamento. Não quer os alas chegando à linha de fundo. "A defesa fica mais bem postada e ainda sobra um buraco nas costas do ala. Quero que cruzem antes, porque vão surpreender os adversários", explica.No ataque, muita movimentação. O treinador não admite que seu time tenha apenas um atacante (Grafite). "Não vejo assim. Temos pelo menos três, sempre com muita movimentação. Como não temos alguém fixo na área, a ordem é de muita velocidade na chegada. E os alas ainda estão bem. O que temos é de melhorar a bola parada."Velocidade é a arma que Grafite pretende usar. E suor, é claro. "Não sou Pelé e nem Maradona. Preciso correr muito senão a torcida começa a vaiar de novo. Meu sonho é fazer o gol da vitória. Seria bom para continuar em alta", diz o atacante.A primeira vitória em um clássico também é uma meta a ser alcançada. "O importante é vencer porque o Palmeiras é nosso concorrente direto, mas é verdade que temos de ganhar o primeiro clássico. Está mais do que na hora", avisa Grafite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.