Leão não sabe se fica no São Paulo

Seria esta a despedida de Emerson Leão do São Paulo? A dúvida está lançada. Logo após a conquista do título, o treinador deixou nas entrelinhas que poderia estar se despedindo do clube. "O futuro a Deus pertence" e "já deu" foram as declarações que deixaram dúvidas sobre sua continuidade ou não no Morumbi, para depois concluir: "mas estou muito feliz aqui." A falta de reforços poderia ser o estopim para esta saída. Enquanto o treinador cobra, com insistência, a chegada de reforços, encontra obstáculo no presidente Marcelo Portugal Gouvêa. "Um time que é campeão paulista com duas rodadas de antecedência não pode ficar falando em reforços, este assunto não está em nossa pauta", declarou o dirigente. "Vou é comemorar o título." Mas e as cobranças de Leão? "Normais, você já viu um técnico que não pede novas contratações?" Apesar de dizer estar satisfeito com o treinador, que tem contrato até dezembro e, acredita, será cumprido sem problemas, Gouvêa vai se reunir com o técnico para "uma avaliação do trabalho." Não para esta semana. "O Paulista ainda tem duas rodadas, acabou para a gente que conquistou o título. Depois que terminar, sentaremos e conversaremos. O que acontece sempre após uma etapa." Polêmicas à parte, Leão preferiu comemorar sua primeira conquista como treinador no estado. "Já havia chegado perto, agora houve a consagração." E o excesso de timidez frente o Santos? "Pedi para os jogadores jogarem pelo título, não pelo resultado. E disse a eles que tinha a hora certa de atacar", revelou o comandante tricolor, já que empate era suficiente para levantar a taça. "Neste domingo jogamos pelo título e ele veio, isso é o mais importante." Enquanto um torcedor atravessava o campo ajoelhado, pagando promessa pelo título, Leão dirigia-se ao vestiário. Teve de mudar o rumo para evitar catástrofe. A torcida, eufórica com a conquista, balançava o portão, ameaçando invadir o campo. A polícia interveio, usando spray de pimenta. Leão pediu calma, para evitar conflito. "Entrei no campo pedindo festa, não para criar confusão. Já vivi está situação (spray de pimenta) e é um absurdo."

Agencia Estado,

03 de abril de 2005 | 19h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.