Leão não vê a hora de pegar Uruguai

Por mais que tente disfarçar, o técnico Emerson Leão não consegue esconder a ansiedade em relação ao jogo com o Uruguai, no dia 1.º de julho, em Montevidéu, pelas eliminatórias do Mundial de 2002. Uma derrota deixaria a seleção brasileira em situação crítica na tabela e, certamente, determinaria mudanças na comissão técnica - se isso não ocorrer antes, na eventualidade de um fracasso do Brasil na Copa das Confederações. "Estou louco para que chegue logo a partida com o Uruguai", declarou Leão.O técnico reiterou que vive a expectativa de ter 15 dias para treinar a equipe, como lhe prometeu o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira. "Assim, vai dar para armar um time forte." Dos que estão com o grupo no Japão, somente quatro serão titulares no confronto com os uruguaios: os zagueiros Lúcio e Edmílson e os meias Vampeta e Leomar, considerado por Leão como um jogador "nota 7". Para o amistoso da manhã de sábado, às 5 horas (de Brasília), Leão não contará com Lúcio e Zé Roberto, contundidos. O segundo deve ficar fora do torneio no Japão por causa de uma entorse no joelho esquerdo. Seu desligamento da equipe pode ser anunciado nesta quinta-feira.Fragilidade - Leão considera que a responsabilidade da seleção fica bem maior ao jogar com uma equipe que ocupa a última posição entre as 16 da Liga Japonesa. "Temos de fazer um bom espetáculo e um bom resultado", disse. O fraco time do Verdy ainda terá contra si o fato de estar desfalcado de seus dois principais jogadores: o zagueiro Nakazawa e o meia Miura, ambos servindo à seleção japonesa.Hoje, os brasileiros treinaram no campo do Verdy. Alguns deles foram apresentados ao presidente do clube, Nobuhisa Sakata, idealizador da Copa Toyota e admirador de Romário. Sakata disse não conhecer nenhum dos 23 convocados por Leão para a Copa das Confederações e ressaltou que o amistoso vai representar uma motivação a mais para o Verdy tentar fugir do rebaixamento. Ele admitiu o "risco de uma fatalidade", ou seja, de uma derrota humilhante para o Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.