Leão pede 70% de aumento ao Santos

O Santos tem prazo até sexta-feira à tarde para estudar e responder se aceita ou não pagar os R$ 170 mil mensais que o técnico está exigindo para renovar, por um ano, o contrato que termina no dia 31. Essa foi uma das poucas informações que vazaram da reunião secreta de três horas que ele teve com o presidente do clube, Marcelo Teixeira, hoje à tarde, numa casa de veraneio do dirigente, no Guarajá. Além dos 70% de aumento (ganha atualmente R$ 100 mil, livres de impostos), faz questão de ter carta-branca para decidir sobre quem fica, quem sai e os reforços que devem ser contratados para o time disputar simultaneamente a Copa Libertadores da América e o Campeonato Paulista, sem o risco de fracassar. A mesma fonte assegura que Leão não confirmou para Teixeira a proposta que teria recebido do Palmeiras, porém admitiu que houve sondagens. O conselheiro palmeirense Bernardo Francês, dono do Recanto Santa Filomena e amigo comum de Leão e Mustafá Contursi, teria sondado se ele trocaria a Vila Belmiro pelo Parque Antártica para ganhar R$ 200 mil mensais e com poderes para mandar no futebol palmeirense, do infantil ao profissional. E a idéia teria fascinado o técnico campeão brasileiro. O principal sintoma de que Leão está mais perto de deixar a Vila Belmiro do que da renovação do contrato foi que o presidente Marcelo Teixeira se recusou a conversar com a imprensa sobre a reunião de hoje à tarde, limitando-se a telefonar para a assessoria de comunicações do clube para dizer que foi apresentada uma proposta a Leão, que prometeu estudar e responder nos próximos dias. "Há interesse das ambas as partes pela continuidade do trabalho, mas a proposta da diretoria está dentro da realidade do futebol brasileiro." Leão passou os dois últimos dias no litoral norte e teria partido dele a idéia para que a reunião de hoje fosse na casa de veraneio de Teixeira, no Guarujá, para que não tivesse a necessidade de se deslocar até Santos e também para manter os jornalistas afastados. O presidente gostou da idéia porque pôde sair do encontro sem ter que dar explicações. Hoje mesmo, Leão retornou à capital. Os comentários no clube são de que, após a conquista do título, Teixeira não julga tão importante a permanência de Leão, acreditando que inúmeros técnicos gostariam de trabalhar com um grupo tão jovem e qualificado como o Santos. Há até quem diga que o sonho do presidente é levar Giba de volta para a Vila Belmiro porque logo após a derrota para o São Paulo na decisão do Campeonato Paulista de 2000, ele já pretendia fazer um trabalho semelhante ao de Leão no segundo semestre deste ano, dispensando todos os medalhões e promovendo os garotos das equipes amadoras. Na oportunidade, Teixeira respondeu que não poderia aceitar a sugestão porque havia prometido na campanha para a presidência que montaria uma seleção para tirar o clube da fila. Agora, sem a pressão da fila, Giba é visto como o técnico ideal, porque além de ser mais barato e conhecer bem os atuais titulares santistas, tem vocação para trabalhar com jovens, o que pode representar uma importante fonte de renda para o clube. O diretor de futebol Francisco Lopes participou da reunião e acredita na permanência de Leão. "Se depender do presidente e dos jogadores, Leão vai continuar no Santos e acredito que Leão também tenha interesse em prosseguir o seu trabalho no clube." Mas ele se negou a falar sobre a diferença entre o que Leão pede e a contraproposta do clube. "Espero que tenhamos um desfecho na sexta-feira e que ele seja positivo. Leão nos garantiu que não tem nenhuma proposta oficial do Palmeiras, mas se não acertar com o Santos provavelmente vai ser procurado. Pelo que sei, convite oficial ele só tem do exterior", concluiu o dirigente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.