Leão quer o São Paulo ?elétrico?

O ano do São Paulo começa para valer nesta quarta-feira. Depois do aperitivo com a conquista do Campeonato Paulista, em pontos corridos, a equipe retoma à disputa da Libertadores. Apesar de ainda ser a primeira fase, na qual saem dois classificados por grupo, o time encara o duelo com o Quilmes, às 21h45, no Morumbi, como seu primeiro mata-mata da temporada. Vencendo praticamente elimina um concorrente e fica perto da classificação. A fórmula do sucesso nesta quarta à noite estará nas arquibancadas lotadas - são esperados mais de 50 mil pagantes - e em jogadores "acordados", elétricos, com vontade de vencer. "O Quilmes pode impedir nosso progresso, então temos de derrubá-lo. Libertadores é assim, ou mata ou morre", recomenda o técnico Emerson Leão. Os argentinos estão na terceira posição do Grupo 3, com 4 pontos, um a menos do que os paulistas. O Universidad de Chile lidera com 6. "Toda equipe de elite tem de passar para as oitavas. E para isso, hoje temos de mudar o comportamento, ter atitude e buscar novos horizontes, superar desafios", filosofa. O treinador não esconde estar irritado com a série de tropeços no Paulista - derrotas para Lusa e Ponte Preta, ambas por 2 a 1, e empate por 0 a 0 com Santos. Usou os percalços como lição e advertiu os jogadores de que não há equipes invencíveis. "Nosso time continua cascudo (com garra), mas tomou muito banho semana passada", reclama. "Prova de que não existe equipe imbatível no futebol, ainda mais se ela entrar com sono em campo. E se bobearmos o Quilmes também nos vence." Em papo de quase uma hora, Leão procurou mexer com o brio dos atletas. Na leve bronca, dirigiu-se a cada jogador, expondo suas fragilidades e cobrando soluções. "Mostrei a eles a realidade da vida. Não conheço sucesso nem títulos sem vitórias." Durante a Libertadores, o elenco poderá sofrer reajustes. "Nosso segundo estágio é passar por revisão. Trocar o óleo é fundamental", pondera. "Com o título o São Paulo conquistou novo espaço. E agora temos de saber caminhar por ele, senão cometeremos erros grotescos." Apesar de muitos acharem que o Quilmes não passará de sparring para o São Paulo, Leão vem encarando com seriedade o adversário. Está preocupado com as bolas paradas, as quais, acredita, define 70% dos jogos. "Precisamos de atenção nestas jogadas para sairmos em vantagem." Hoje, o técnico são-paulino mostrou conhecer bem o que terá pela frente e treinou muito jogadas aéreas. Os zagueiros Lugano, Fabão e Edcarlos devem ter deixado o treino com dor de cabeça, tantas as vezes que foram submetidos à jogada. "Eles contam com um bom centroavante, experiente e grande." Leão referia-se a Osório. "Temos de ter uma garantia em cima dele." Ou seja, será acompanhado de perto por um zagueiro o tempo todo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.