Leão quer Santos no ataque diante do América-MEX

Time da Vila Belmiro disputa primeira partida das quartas-de-final da Copa Libertadores nesta quinta-feira

Sanches Filho, O Estado de S. Paulo

14 de maio de 2008 | 18h37

O Santos vai partir para o ataque contra o América, nesta quinta-feira, às 21h20 (com acompanhamento do estadao.com.br), na Cidade do México, para tentar ficar o mais perto possível das semifinais da Libertadores já no primeiro jogo das quartas-de-final. O técnico Emerson Leão confirmou a presença de Wesley no lugar de Adriano, voltando ao time que atuou no primeiro jogo contra o Cúcuta pelas oitavas-de-final, na Vila Belmiro, e foi objetivo após o treino de adaptação ao gramado do Estádio Azteca, na manhã desta quarta-feira. Veja também: Classificação Calendário / Resultados Para Leão, Santos tem de vender Kleber e Rodrigo Souto "De nada adiantará ficar atrás esperando o América. Vamos procurar decidir a classificação aqui no México. Não conheço outro resultado melhor do que a vitória", afirmou o treinador santista, destacando que na sua equipe todos sabem das limitações e até onde podem chegar. "E espero o máximo de cada um no jogo de amanhã (quinta)." A confiança do técnico santista é baseada nas duas vitórias por 2 a 0 contra o Cúcuta pelas oitavas-de-final. Na primeira, armou o time com três atacantes - Wesley, movimentando-se por todas as partes, Lima, mais adiantado, e Kleber Pereira voltando até a intermediária e partindo com a bola para dentro da área. O time começou marcando sob pressão, não permitindo que os colombianos articulassem as jogadas ofensivas, até abrir o marcador, e depois ganhou com autoridade. Na Colômbia, sem Wesley (expulso no primeiro jogo, cumpriu suspensão), Leão acrescentou um volante de marcação - Adriano - ao time, mas procurou não atrair o adversário para o seu campo. E o time repetiu a boa atuação e o placar da Vila Belmiro. Das duas formações, ele prefere a primeira e o motivo é Wesley. "Ninguém se movimenta como ele", define o treinador. Leão chegou à Cidade do México apenas na manhã da terça-feira, em razão do jogo de domingo contra o Flamengo, no Maracanã, e não pôde realizar o coletivo marcado para o período da tarde, em razão das chuvas intensas. Mas explicou que não houve prejuízo com a mudança na programação. Nesta quarta, no local do jogo, foram ensaiadas jogadas de ataque, com cruzamentos do fundo do campo para as conclusões de cabeça dos atacantes e dos zagueiros Fabão e Marcelo, e chutes de fora da área.  América-MEXOchoa; Sánchez, Sebá e Rodriguez; Castro, Silva, Villa, Argüelo e Rojas; Esqueda e CabañasTécnico: Juan Antonio Luna SantosFábio Costa; Betão, Fabão, Marcelo e Kléber; Marcinho Guerreiro, Rodrigo Souto e Molina; Wesley, Lima e Kléber PereiraTécnico: Emerson LeãoÁrbitro: Hector Baldassi (ARG)Estádio: Azteca, na Cidade do México (MEX)Horário: 21h20 (de Brasília)Rádio: Eldorado/ESPN - AM 700 KHZTV: SporTV Nas conversas com os jogadores, Leão tem procurado mostrar, que se o time mantiver o espírito de Libertadores e continuar jogando de forma simples, poderá chegar ao título. "Mas, se a gente pensar que é superior por ser brasileiro, que somos estrelas, conhecidos e famosos, não chegaremos a lugar nenhum. Nosso time tem que continuar jogando com simplicidade", sentenciou. Kléber Pereira voltou a dizer que o América se transforma quando joga no Azteca, com o apoio de sua torcida. "Mas a campanha dele na Libertadores chega a ser surpreendente porque no torneio local foi muito mal". O América fez uma promoção, vendendo ingressos a 50 pesos, equivalente a R$ 8,00, para levar um grande público ao estádio. Companheiro de ataque de Cabañas quando jogava no América, em 2005 e 2006, Kléber Pereira deu uma informação para Betão marcar a principal jogada do centroavante paraguaio. "Ele me disse que Cabañas sempre procura cortar para a direita para bater na bola. Vamos ter que ficar atento para esse detalhe", afirmou o zagueiro santista, acrescentando que Leão não pediu marcação especial sobre o perigoso atacante do time mexicano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.