Leão reclama de agressão e má arbitragem

Os jogadores do Santos saíram de campo de cabeça quente. O mesmo valeu para o técnico Leão, que reclamou da arbitragem de Sávio Spínola Fagundes Filho e também do zagueiro César, que teria feito falta em Ricardo Oliveira na jogada que originou o gol de Leandro Amaral. "Ele foi lá e bateu sem a bola. Deu duas cotoveladas e saiu o gol", se queixou o treinador ao falar do adversário.Para o treinador, o juiz deixou de dar vários cartões para o adversário e acabou contribuindo para a briga em campo no fim do jogo. "Quando não tem comando, falta organização." Leão afirmou que preferia não falar sobre os problemas disciplinares da partida, mas do bom futebol apresentado pelas equipes antes da confusão no fim do jogo.Fábio Costa engrossou o côro dos descontentes. "Saímos de campo como líderes do campeonato, apesar do juiz", desabafou. Segundo o goleiro, o time santista tinha tudo para garantir a vitória no Morumbi e foi prejudicado pelas inúmeras paralisações desnecessárias de Fagundes Filho e pela omissão do árbitro. "Ele foi mal intencionado, marcando no fim do jogo umas dez faltas próximas da área e nos lances de violência deixou bater. Espero que ele seja punido e pegue um bom gancho."O jogador também aproveitou para desfazer o mal-entendido com o atacante Liedson. "Foi uma jogada normal. Ele bateu comigo", justificou Fábio Costa. Segundo o goleiro, foi exatamente por este motivo que o Fagundes Filho não puniu ninguém com cartão.O diretor do Santos, Roberto Moreira, não culpou o juiz, mas o bandeira Valter José dos Reis. Para o dirigente, Fagundes Filho foi induzido ao erro diversas vezes pelo auxiliar. "Já havíamos alertado a CBF que este bandeira traria problemas para nós, e a federação não fez nada", reclamou.B.O. - A briga que começou em campo promete novos capítulos fora dele. O advogado do Santos, Mário Melo, levou o volante Fabiano para a Delegacia para registrar boletim de ocorrência acusando o goleiro Doni de agressão. "Dá para ver a marca da chuteira nas costas dele", garantiu o advogado. O jogador saiu do Morumbi revoltado. "Vocês vão saber o que vai acontecer", disse o jogador fazendo menção ao registro de boletim de ocorrência.

Agencia Estado,

09 de julho de 2003 | 19h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.