Leão sem dez para enfrentar o Vasco

Mudam-se alguns personagens, mas o enredo é o mesmo. Emerson Leão não poderá contar com dez jogadores na partida de sábado à tarde, contra o Vasco da Gama, em Vila Belmiro, pelo Campeonato Brasileiro. O treinador dispõe de apenas 16 nomes para entrar em campo e tentar obter mais um bom resultado. "Temos um elenco enxuto", ameniza. Como vem acontecendo nas últimas partidas, Leão se ressente da falta de atletas, em uma situação considerada por ele como anormal. "Dez jogadores sem possibilidade de serem aproveitados? É demais para qualquer clube", acredita. Relembrando: cinco atletas estão servindo à duas seleções brasileiras. Na sub-20 está William; na sub-23, Alex, Paulo Almeida, Robinho e Diego. Quatro jogadores permanecem suspensos por indisciplina. Fábio Costa e Fabiano cumprem contra o Vasco a última partida da pena de quatro aplicada, enquanto Pereira e Léo receberam o terceiro amarelo. Alexandre permanece em tratamento médico com uma contusão na coxa esquerda. Para o jogo de sábado, Leão já resolveu quem entra nas vagas de Pereira e Léo. "O Preto na zaga e o Rubens Cardoso na lateral". Até aí, não há surpresas. Mas é no meio-campo e no ataque que Leão faz mistério. "Vou ter de pensar em algumas alternativas", despistou. Leão terá à disposição para essa partida o volante Daniel e o meia Elano. Fica difícil apontar quem sai. Nenê pode ser adiantado e voltar a fazer companhia a Ricardo Oliveira no ataque - Júlio César seria sacado da equipe. Uma alternativa, entretanto, é deslocar Elano para a lateral-direita tirando Reginaldo Araújo do time. Aí, o mei-campo teria Daniel, Renato, Jerri e Nenê. Júlio César permaneceria no ataque. Com relação à contratações, Leão confirmou que o lateral-direito Neném está nos planos. "Não sei como está a negociação", afirma, para na seqüência reconhecer que essa aquisição é uma "necessidade" no Santos atual. Amanhã pela manhã, Leão orienta um treino-apronto quando definirá os titulares. Logo depois, tem início a concentração em um hotel da cidade. Pênalti - Até que Ricardo Oliveira não se mostrou abatido hoje por ter perdido um pênalti contra o Goiás. "Além de ter feito um gol, dei os passes para os outros dois", alegrou-se. "Tive uma boa atuação". Ricardo Oliveira soma números na atual temporada que envergonham qualquer artilheiro. Só este ano, bateu nove pênaltis. Perdeu três. "Um índice de aproveitamento muito baixo", reconhece Leão. Se vai desistir das cobranças? "Não, vou continuar cobrando os pênaltis", afirma o atacante. "A não ser que o professor (Leão) me proíba". Robinho - Leão abordou hoje a queda de rendimento no futebol de Robinho. "Já conversei com ele várias vezes, espero que ele tenha assimilado nossa conversa". A preocupação de Leão esbarra até em outros profissionais para tratar de Robinho. "Estou vendo a contratação de psicólogos para cuidar do jogador". Segundo Leão, a rápida ascensão na carreira do atacante foi o motivo da transformação.

Agencia Estado,

24 de julho de 2003 | 18h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.