Leão sofre com a pontaria do Palmeiras

O técnico Emerson Leão ?castigou? os jogadores do Palmeiras nesta sexta-feira, com duas horas de trabalhos intensivos de finalização. Foram poucas conclusões certas e muitos chutões por cima do alambrado. Após o trabalho, uma certeza: é preciso melhorar muito. Depois, no treino coletivo, ele escalou o time que deve enfrentar o Atlético-MG, domingo, no Palestra Itália. A zaga segue com o trio formado por Daniel, Nen e Gamarra. Alceu perdeu lugar para Reinaldo. E Ricardinho ficou com a vaga de Juninho Paulista, que está suspenso.No treino, os jogadores pareciam não acreditar na fixação do técnico pelos arremates. Leão levou para o campo os coletes do coletivo, mas não os usou. Os atletas trabalharam apenas o fundamento. O técnico tratou dele próprio ajeitar a bola para os chutes, ora de direita, ora de esquerda, ora com a bola pingando, ora após driblar um dos três cones - para alguns um adversário duro de ser vencido.Leão não comentou o desempenho de nenhum deles. Disse apenas que "vocês sabem o que penso", uma referência de que não gostou do resultado. "Um fundamento bem executado pode decidir um jogo. Vamos continuar esse trabalho", avisou o técnico.Ninguém reclamou das duas horas de atividade, com intervalos curtos de descanso. Nem mesmo do que o treinador chamou de "brincadeira para descontrair": dez polichinelos a cada serviço mal executado. Juninho Paulista, Gamarra e Lúcio pagaram o castigo. Ninguém ria e ainda ajudavam na contagem. Lembrou um quartel.A vitória por 4 a 1 sobre o Figueirense, na quarta-feira, não iludiu o novo chefe, apesar de o clima na Academia estar mais leve que a última semana vivida com Bonamigo. Nesta sexta, Leão cobrou todos os setores do time. Quer a defesa mais atenta e melhor posicionada nas bolas aéreas. Gamarra seguirá atuando na sobra, atrás dos outros beques. Em relação aos volantes, que ele continua chamando de ?batedores?, o treinador quer vê-los com mais pegada. E ainda pediu mais apoio e melhor recuperação na volta dos dois laterais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.