Leão: vítima da ?cultura negativa?

O ex-técnico da seleção brasileira, Emerson Leão, decidiu romper o silêncio. Ele conversou hoje com os jornalistas pela primeira vez desde que foi demitido do cargo, na primeira quinzena de junho, ao final da participação brasileira na Copa das Confederações. Apesar da demissão, ele não considera que tenha sido traído pelo coordenador-técnico Antônio Lopes, nem pelo presidente da CBF, Ricardo Teixeira. ?Não acho que fui traído. Considero esse termo muito forte. No futebol existe a cultura negativa e eu fui vítima da cultura negativa?, afirmou o treinador, sem explicar direito o que isso significa.Leão disse, no entanto, que ficou surpreso com sua demissão, já que acreditava ter a confiança dos dirigentes. ?O Lopes (Antonio Lopes), me disse que o Ricardo Teixeira disse a ele, que a Copa das Confederações e a Copa América não valiam nada. Que não era para eu me preocupar. Me disseram ainda, que eu tinha de pensar exclusivamente no jogo com o Uruguai, quando teria a liberdade de convocar quem eu quisesse e poderia treinar a equipe por 15 dias?, disse o técnico.Para a Copa das Confederações, Leão foi impedido por Teixeira de convocar os jogadores - tanto os que atuam na Europa como os que jogam no Brasil - cujos times estivessem em fases finais dos campeonatos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.