Reprodução| Twitter
Reprodução| Twitter

Leco avisa que vai processar ator que o chamou de corrupto

Nas redes sociais, Henri Castelli convocou torcedores para protesto de sábado

Daniel Batista, Estadão Conteúdo

28 Agosto 2016 | 16h25

O presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, anunciou neste domingo, pouco antes da partida contra o Coritiba, no Morumbi, que irá processar o ator Henri Castelli e outros são-paulinos famosos por declarações recentes de que a diretoria do clube é corrupta e também por incitar a violência, ao convocar que torcedores comparecessem ao protesto realizado no último sábado, quando vândalos invadiram o treino da equipe, no CT da Barra Funda.

"Foi uma incitação à violência feita por esse moço e ele terá que responder na Justiça, assim como outras manifestações que não podemos admitir. Podem não gostar de mim, achar que a administração é ruim, respeito a opinião de todos. Mas cuidado para não mexer na honra e falar que a administração é corrupta, então vai ter que responder por isso", disse o dirigente, claramente irritado com a situação.

Leco mais uma vez reforçou a tese de que o protesto teve um viés político. "Essas coisas que são verdadeiramente absurdas a gente não espera. A administração do São Paulo recebeu terra arrasada e transformou em administração séria, isso não se pode falar. O futebol não coleta bons resultados, mas precisa ter uma inspiração maior e estranha para ter uma ofensiva tão absurda e agressiva como aconteceu", lamentou.

Sem citar nomes, o dirigente ainda ironizou alguns aliados da oposição pela reação após os protestos violentos feitos pela torcida. "Teve gente da oposição que aplaudiu e postou nas redes sociais que tudo foi bem feito. Esses não são são-paulinos. Eles não querem o bem do São Paulo."

No sábado, cerca de 400 torcedores do São Paulo invadiram o CT da Barra Funda para cobrar a diretoria e jogadores. Wesley, Michel Bastos e Carlinhos chegaram a ser agredidos e os seguranças do clube asseguraram que alguns objetos, como bolas e camisas foram furtados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.