Legião paulista invade a Libertadores

A maior Copa Libertadores da América de todos os tempos terá um pacote de novidades importantes e a maior representação paulista da história do torneio. Pela primeira vez, quatro equipes do Estado disputarão a principal competição interclubes da América do Sul. Santos, São Paulo e Santo André já estão garantidos na fase de grupos, que terá 32 times jogando de 16 de fevereiro a 11 de maio. E o Palmeiras disputará uma vaga nessa elite em duas partidas com Tacuary (PAR), nos dias 2 e 9 de fevereiro. O Atlético Paranaense, também garantido na fase de grupos, é o único "intruso" na legião paulista.A criação da fase de pré-classificação elevou o número de participantes para 38 - seis serão eliminados no "mata-mata" do início de fevereiro. Foi a maneira que a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) encontrou para contentar as federações e voltar ao sistema de 32 equipes na fase de grupos. Na edição deste ano, houve 36 times em nove grupos, o que complicou muito a fórmula de disputa. Passaram direto para as oitavas-de-final o primeiro colocado de cada chave e os seis melhores segundos colocados. As duas últimas vagas foram definidas numa repescagem entre o sexto melhor segundo contra o nono melhor e o sétimo contra o oitavo.Essa fórmula não agradou porque a última rodada dos grupos não ocorreu na mesma data. A chave em que estava o São Paulo, por exemplo, teve sua última rodada disputada dia 7 de abril. Já a chave do Once Caldas só foi concluída dia 22. Isso significa que o segundo do grupo do São Paulo poderia ficar 15 dias sem saber se estava eliminado, se disputaria a repescagem ou se entraria como um dos seis melhores segundos colocados.Antes de colocar a fórmula com 36 times em nove grupos em ação, a Conmebol chegou a sugerir à Fifa que aumentasse de 32 para 36 o número de participantes da Copa do Mundo. A Fifa não aceitou justamente por causa da complicação que criaria para o calendário - por falta de estádios e por compromissos com as tevês, seria impossível realizar as 18 partidas da última rodada no mesmo horário, a solução ideal para que uma seleção não ficasse quatro ou cinco dias sem saber se continuaria na briga ou se podia arrumar voltar para casa.Outra mudança importante para este ano na Libertadores é a adoção do critério de gols marcados fora de casa para efeito de desempate, como ocorre na Copa do Brasil. O primeiro critério será o saldo de gols, o segundo o número de gols a favor e o terceiro o número de gols marcados como visitante. Das oitavas até as semifinais, os gols fora de casa serão o segundo critério. Em caso de igualdade, haverá pênaltis.Os confrontos nas oitavas também serão definidos de maneira diferente. Não haverá mais a fórmula "primeiro de um grupo contra o segundo de outro". Agora, o time de melhor campanha na primeira fase enfrentará o de pior campanha entre os 16 classificados, o segundo pegará o 15º e assim por diante. A partir das oitavas-de-final, sempre o time de melhor campanha fará o jogo de volta em casa.A última alteração diz respeito à final. Se houver empate em pontos e saldo de gols depois dos dois jogos, haverá uma prorrogação de 30 minutos ao invés de a decisão ir direto para os pênaltis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.