Lehmann reclama da bola que será usada na Copa

A Teamgeist, bola que será usada na Copa do Mundo, foi apontada pela fabricante como a última novidade em tecnologia, mas caiu em desgraça diante do titular da seleção anfitriã do torneio, Jens Lehmann. "É uma bola para os jogadores de linha e para a torcida, não para os goleiros", disse Lehmann nesta segunda-feira, depois dos treinos da Alemanha em Genebra, na Suíça. "Quando chove, a bola fica molhada e veloz, o que não será muito confortável para nós", admitiu o jogador. A velocidade das bolas tem sido uma reclamação constante dos goleiros nos últimos tempos. Curiosamente, a Adidas, fabricante da bola, é também patrocinadora da seleção da Alemanha. Lehmann se juntou à seleção no fim de semana, depois de defender o Arsenal na derrota diante do Barcelona, na final da Liga dos Campeões. Ele disse que quer virar a página da decisão, da qual foi expulso aos 20 minutos do primeiro tempo. "O que importa é que agora estou aqui com a seleção para chegar em boas condições à Copa. Também não tive muito tempo para pensar nos bons momentos que tive durante a temporada", afirmou Lehmann, que não dispensa, se preciso recorrer a um psicólogo. "Não é o caso de terapia, mas sempre converso com os psicólogos na seleção e no Arsenal", disse o goleiro, bem-humorado.

Agencia Estado,

22 Maio 2006 | 10h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.