Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte deve sair nesta quarta-feira

'Precisa passar ainda pelos ministros para validação', diz Hamam

PAULO FAVERO, O Estado de S. Paulo

03 de março de 2015 | 13h36

A Medida Provisória da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte deve sair nesta quarta-feira, sendo apresentada ao Congresso Nacional. Quem garante é Rogério Hamam, que comanda a Secretaria Nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor - ele ainda não assumiu o cargo oficialmente, mas já trabalha efetivamente na função.

"A Medida Provisória deve sair amanhã. Precisa passar ainda pelos ministros para que eles deem a validação", explicou Hamam, nesta quarta-feira, durante evento em São Paulo, na sede do Clube Paineiras do Morumby.

Assim, a expectativa do ministro do Esporte, George Hilton, é de que a Medida Provisória seja apresentada ao Congresso nesta quarta-feira. E ele garantiu que todas as partes interessadas foram ouvidas sobre o assunto - no início do ano, a presidente Dilma Rousseff vetou uma primeira MP sobre o assunto.

"A Medida Provisória foi extremamente debatida e tivemos conversas com todos segmentos, árbitros, CBF, clubes, o Bom Senso. Acho que contempla todas reivindicações do Bom Senso. A CBF se antecipou e fará exigência aos clubes no Campeonato Brasileiro. Agora estamos fazendo o trabalho de convencimento da importância junto ao Congresso", afirmou.

Nesta terça-feira, o ministro do Esporte e o presidente da Confederação Brasileira de Clubes, Jair Pereira, oficializaram a liberação de recursos provenientes das loterias federais (Nova Lei Pelé) para quatro clubes paulistas: Paineiras do Morumby, Esperia, Athlético Paulistano e Associação Desportiva Classista da Mercedes-Benz. Ao todo os repasses somam R$ 6 milhões.

No evento, o ministro também falou sobre a Lei de Incentivo Fiscal ao Esporte, defendendo a sua prorrogação. "A vigência vai até dezembro, mas já conversei com a presidente Dilma. A gente precisa muito da lei e devíamos prorrogá-la. Acredito quer pode ser prorrogada até 2020. Ao criar essa lei, demos um salto substancial", defendeu George Hilton.

O ministro também defendeu a criação de um sistema nacional de esporte. Ele prometeu atuar pela proposta, ainda que não tenha apresentado detalhes da ideia para incentivar o esporte de base. "Em alguns dias vamos soltar um diagnóstico que vem de três anos e traz dados assustadores: 45% da população é completamente sedentária. E 25% pratica esporte de vez em quando. Precisamos aproveitar os megaeventos para deixar um legado material para que as pessoas pratiquem esporte", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.