Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Lei equatoriana atrasa chegada de Guerra ao Brasil para ver o filho

Após afogamento de Assael, de três anos, meia do Palmeiras foi impedido de deixar o país em voo fretado

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

06 de julho de 2017 | 16h15

O meia Guerra, do Palmeiras, retornou nesta quinta-feira ao Brasil para acompanhar a recuperação do filho Assael, de três anos, que está internado após ter se afogado na piscina de casa. Antes de voltar para São Paulo o jogador venezuelano teve de contornar um problema burocrático no Equador que o impediu de embarcar em voo fretado e lhe obrigou a buscar um voo comercial.

Guerra estava em Guayaquil, com o elenco palmeirense, onde o time perdeu na quarta-feira para o Barcelona, por 1 a 0, pela Copa Libertadores. Horas antes da partida, ele soube do acidente com o filho e logo foi liberado pela diretoria para voltar ao Brasil e acompanhar a recuperação do filho. O plano inicial do Palmeiras era de colocar o venezuelano na aeronave do casal dos donos da Crefisa, José Roberto Lamachia e Leila Pereira, patrocinadores do Palmeiras.

A dupla viajou ao Equador para acompanhar a partida e pouco depois do pouso, colocou a aeronave à disposição para transportar Guerra. O meia havia chegado ao país na antevéspera, em voo fretado pelo Palmeiras. A ideia de embarcar o venezuelano no jato particular dos empresários não se concretizou porque pelas leis de tráfego aéreo do país o passageiro só poderia embarcar em outro fretamento somente 72h depois da chegada caso a aeronave não tenha sido a mesma que o trouxe.

Diante dessa restrição, o jogador teve de optar por voltar em voo comercial. Como não há o trajeto direto entre Guayaquil e São Paulo, Guerra demorou para conseguir retornar ao Brasil. Apenas nesta quinta o meia pode entrar em contato com os familiares e ir até o hospital onde Assael está internado, o Albert Einstein, no bairro do Morumbi.

Segundo a assessoria de imprensa do hospital, o garoto continua internado e por um pedido da família, não serão divulgadas informações do estado de saúde. Ao fim do jogo no Equador o atacante Willian disse em entrevista ao canal SporTV que o elenco ficou preocupado com o acidente. "A gente tinha as informações que ele estava bem, não tinha mais perigo nenhum, que estava na UTI, mas bem cuidado, sem risco de vida", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.