Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Leila Pereira afirma que patrocínio do Palmeiras desperta inveja nos rivais

Para dona da Crefisa, clubes deveriam procurar parceiros fortes em vez de criticar o clube alviverde

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2019 | 13h27

A presidente da Crefisa, Leila Pereira, afirmou nesta quarta-feira que o investimento elevado feito por ela no Palmeiras desperta inveja nos rivais. Na entrevista coletiva em que firmou o novo acordo de patrocínio com clube, válido por três temporadas, a empresária evitou mencionar as provocações recentes vindas do Corinthians, porém disse que em vez de ficarem incomodados, os dirigentes de outras equipes deveriam buscar um parceiro tão forte quanto o que o Palmeiras tem.

"Os outros clubes não devem ficar incomodados, deveriam seguir o modelo do Palmeiras. Gostaria que nossa parceria seguisse de exemplo. É bom para o futebol brasileiro. Imagina se todos os clubes tivessem um patrocinador parecido? Em vez de ficar incomodados, deveriam buscar um parceiro como o Palmeiras tem", afirmou. O novo contrato de patrocínio do clube será válido por três temporadas.

O acordo prevê investimento anual de R$ 81 milhões, com alguns extras. A Crefisa pagou R$ 15 milhões pela assinatura do contrato e se compromete a pagar pelos próximos três anos R$ 6,8 milhões em propriedades de marketing e até R$ 34 milhões por temporada como premiação por títulos conquistados. Esse valor só será pago na íntegra se o clube ganhar todas as competições.

Se o Palmeiras não ganhar todos os torneios, receberá o bônus previsto especificamente pela competição conquistada. "Vai depender da performance, mas estamos preparados para isso", disse Leila, que exaltou o tamanho do investimento. "É o maior patrocínio da história do futebol. Não tenho dúvida de que é invejado no Brasil. Mas o patrocínio pertence só ao maior campeão do Brasil", comentou.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasCrefisaLeila Pereira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.