Ricardo Magatti/Estadão
Ricardo Magatti/Estadão

Leila Pereira confirma permanência de Abel, se diverte com 'onda de Pix' e descarta medalhões

Nova presidente afirma que vai investir em atletas jovens e promete fazer uma administração responsável e transparente

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2021 | 12h43

Leila Pereira atendeu pela primeira vez aos jornalistas como presidente do Palmeiras. Ela tomou posse na quarta-feira, ocasião em que se emocionou, e deu coletiva nesta quinta na Academia de Futebol. Na entrevista, a mandatária prometeu aproximar o torcedor do clube, comentou que irá trabalhar para manter um time forte, negou que haja conflito de interesse sendo presidente e dona das empresas que patrocinam a agremiação e confirmou a permanência de Abel Ferreira. O treinador português tem contrato até o fim de 2022 e dará continuidade ao trabalho. O diretor de futebol Anderson Barros também permanece na função. 

"O nosso técnico bicampeão da Libertadores fica. Tem contrato até 2022, com a possibilidade de se estender até 2023. O Abel, confirmo para vocês, permanece conosco. Tenho certeza de que ele está muito feliz no Palmeiras. E nossos milhões de torcedores também. Ele continua conosco na próxima temporada", afirmou a nova mandatária.

Leila fez um discurso relativamente longo em uma sala lotada de jornalistas. Ela falou reiteradas vezes em reaproximar o torcedor do clube, tornando mais acessíveis os preços dos ingressos e da camisa, fabricada pela Puma. Também afirmou que sua gestão será inclusiva porque o Palmeiras, entende, "é de todos".

"Eu não tenho sobrenome italiano. O mais próximo a mim é o meu marido, descendente de italiano. Isso comprova que o Palmeiras é realmente de todos. Eu jamais posso dizer que tenha havido preconceito comigo dentro do clube porque desde a minha primeira eleição como conselheira eu bati todos os recordes. Fui mais votada e depois bati meu recorte ao ser reeleita", afirmou a executiva, a primeira mulher a comandar o Palmeiras em seus 107 anos de história.

"E o que seria melhor para o Palmeiras? Continuar com o time vencedor, aproximar o torcedor do nosso clube, porque acho que houve um afastamento. Nosso torcedor é nosso maior patrimônio. E vou trabalhar para que o Palmeiras seja acessível a ele. Vou trabalhar para que ele possa comprar ingressos, camisas. O futebol é um esporte popular. Todo torcedor tem de ter a possibilidade de estar próximo do seu time", acrescentou a empresária. "Quando eu quero alguma coisa, luto por ela. Não tenho medo de nada. Se tiver medo de algo, não poderia ser presidente do maior campeão do Brasil".

Pix para trazer um centroavante

Na quarta, dados pessoais dos membros da nova diretoria foram vazados durante a cerimônia de posse pelo presidente do conselho deliberativo, Seraphim Del Grande. Os torcedores usaram o CPF da presidente do Palmeiras e transferiram quantias em dinheiro via Pix para ser investido na compra de um centroavante, posição que o clube trata como prioridade para ser reforçada. Ela se divertiu com o episódio curioso e disse que irá destinar o montante que recebeu ao clube. O valor dos depósitos não foi revelado. "O nosso torcedor é fantástico. Quando foi divulgado meu endereço e CPF, eu recebi centenas de Pix. Quando eu vi, achei que era hacker. São torcedores depositando na minha conta, para que eu traga um centroavante. Foi uma coisa inusitada, o torcedor é fantástico", contou.

A presidente assegurou que caso apareça uma proposta de uma "empresa idônea" e "capaz de honrar os compromissos" para patrocinar o clube com valores maiores do que pagam as suas instituições hoje, ela aceitaria. "Assino na hora. Sempre vou fazer o que é melhor para o clube".

Além disso, reafirmou que, na sua visão, não existe qualquer conflito de interesses no fato de ser presidente do Palmeiras e, ao mesmo tempo, dona das patrocinadoras da equipe. "O patrocinador está colocando recursos no clube, vocês têm de se preocupar com quem tira dinheiro do clube, não com quem põe. A preocupação não tem de ser essa. Vamos olhar para o passado, vários dirigentes já passaram por aqui e deram um prejuízo enorme ao clube, isso sim é conflito de interesse", argumentou. Ela rechaçou o rótulo de "mecenas" e salientou que vai dialogar com todas as correntes políticas da agremiação em seu mandato.

Sem medalhões

Leila foi questionada sobre reforços. Ela avisou que a prioridade da diretoria é contratar jogadores jovens com potencial de retorno esportivo e financeiro em uma futura eventual venda e deu a entender que não trará "medalhões", isto é, jogadores renomados e com altos vencimentos, como Marcelo, do Real Madrid, Philippe Coutinho, do Barcelona, e Cavani, do Manchester United. Esses foram alguns nomes especulados recentemente. Até o momento, foram contratados o goleiro Marcelo Lomba, ex-Inter, e o meio-campista colombia Eduard Atuesta, que defendia o Los Angeles FC.

"Nosso objetivo é investir em jogadores jovens. Não adianta pedir para contratar esse ou aquele. Todas as contratações serão feitas de forma técnica", afirmou. "Medalhão, para mim, é jogador que entra para resolver. Que colabore para que o Palmeiras seja vitorioso. Não acredito que nome vença campeonato. Acredito em sangue na veia, alma e vontade. Me sensibiliza muito essa paixão que o torcedor tem, mas, para acabar com a especulação, o nosso objetivo hoje é o investimento em jogadores jovens. Todas as contratações serão feitas de forma técnica”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.