Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Leila Pereira reitera apoio a Galiotte no Palmeiras e critica Mustafá

Patrocinadora e conselheira do alviverde também fala sobre Paulo Nobre, ex-presidente do clube

O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2018 | 10h29

Leila Pereira, presidente da Crefisa e conselheira do Palmeiras, reiterou o apoio a Mauricio Galiotte e atacou Paulo Nobre e Mustafá Contursi, adversários políticos dentro do clube, em entrevista concedida ao jornal Lance!. Na conversa, a empresária que comanda a principal patrocinadora do alviverde também deu mais detalhes do problema com os ingressos que a levou a romper relações com Mustafá.

+ Arenas de São Paulo estudam uso da biometria no acesso da torcida

+ Janela de poucos reforços faz clubes ficarem atentos à 'inchada' Copinha

Como patrocinadora do clube, a Crefisa recebe ingressos gratuitamente do clube para os jogos no Allianz Parque, que são repassados a diversas outras pessoas, entre elas, Mustafá. Posteriormente, descobriu-se que as entradas dadas ao ex-presidente estavam sendo vendidas entre membros de torcidas organizadas, o que levou a uma investigação do Ministério Público de São Paulo, além de sindicância interna no Palmeiras.

Segundo Leila, os setenta ingressos dados a Mustafá iam parar com uma mulher chamada Eliane, próxima ao ex-presidente, que então os vendia. A empresária diz ter suspeitado que havia algo errado quando Contursi, mesmo internado por problemas de saúde, fez uma ligação pedindo que os bilhetes fossem repassados da mesma maneira, levando-a a suspender os repasses. Meses depois, Leila recebeu uma ligação de Paulo Serdan, ex-presidente da Mancha Alvi Verde e também conselheiro do Palmeiras, que lhe contou que Eliane vendia as entradas e estava sendo ameaçada por ter parado de praticar o ato de cambismo. Então, a presidente da Crefisa diz ter levado o fato ao presidente do conselho administrativo do Palmeiras, Seraphim del Grande, que instaurou a sindicância interna.

"Eu espero que a comissão de sindicância resolva essa questão e que os culpados sejam punidos com severidade. O mesmo na polícia. Isso pode ser um marco dentro do Palmeiras", afirmou Leila, que também disse que o poder dentro de Mustafá no Palmeiras é muito menor do que se imagina, o que ficou claro em votação para mudar o estatuto do clube, onde os pontos defendidos pelo ex-presidente teriam sido todos negados. Contursi também teria pedido a Leila que parasse de colocar dinheiro no alviverde e "desejaria um clube retrógrado, sem profissionais".

Sobre Paulo Nobre, Leila afirmou que não aparece no clube e que não pode falar de um candidato que ainda nem apareceu, sobre alguém que o antecessor de Galiotte poderia apoiar. "Eu não pensei ainda na possibilidade de um desastre, que o Maurício não seja eleito. Não estraga meu ano, por favor. O Maurício merece, está fazendo um trabalho muito bom. O que é objetivo é que meu candidato é o Maurício Galiotte", declarou a presidente da Crefisa.

Leila ainda garantiu que em 2018 os títulos virão para o Palmeiras.

Mais conteúdo sobre:
Leila Pereira Palmeiras Mustafa Contursi

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.