Leitura labial de jogo contra o Japão irrita Parreira

O técnico Carlos Alberto Parreira deixou bem claro nesta segunda-feira que está bastante irritado com a TV Globo por causa de uma matéria veiculada no programa Fantástico, no último domingo, onde a emissora tentou realizar uma leitura labial de suas palavras durante o jogo do Brasil contra o Japão. Foram utilizados vários momentos da partida e o ponto principal é uma conversa com o coordenador-técnico Zagallo, em que elogiou um jogador e disse na seqüência que "seria difícil tirar Emerson do time". O jogador elogiado seria o volante Gilberto Silva, que o substituiu naquela partida. "Cada um é diferente no que faz", disse o técnico nesta segunda."Achava que isso estivesse superado no futebol brasileiro. O pior é que erram sempre, por incompetência. Aconteceu em 1994, tentaram definir o que o Müller falou para mim, não foi nada daquilo que colocaram. Eu fiquei muito triste, desapontado. Não tenho nada a comentar, acho que invadiram minha privacidade", afirmou Parreira durante a entrevista coletiva.O técnico da seleção brasileira não gostou de ter que responder perguntas geradas pela reportagem. Ele tratou de encerrar logo o assunto. O fato que ele comenta em sua declaração é que durante a Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos, uma câmera de TV pegou ele e Müller conversando na saída do campo. Na reportagem, a emissora entendia que o então atacante estava pedindo um lugar no time. Parreira sempre negou o fato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.