Leitura labial indica que inspetor avisou juiz de gol impedido no Fla-Flu

Reportagem mostra que Sérgio Santos teria dito ao árbitro: "A TV sabe que não foi"

O Estado de S. Paulo

16 Outubro 2016 | 17h11

A polêmica na partida entre Flamengo e Fluminense, na última quinta-feira continua. A dúvida sobre a interferência externa no lance de gol do zagueiro Henrique, anulado pelo árbitro Sandro Meira Ricci foi posta em xeque no programa "Esporte Espetacular", da Rede Globo. Segundo leitura labial efetuada por um especialista e apresentada na manhã deste domingo, o inspetor da arbitragem Sérgio Santos teria dito ao juiz: "A TV sabe. A TV sabe que não foi".

Em seguida ele ele afirma para os jogadores que se reuniam em volta dele que "não sei mais de nada, não sei mais nada". Logo na sequência, Ricci faz um sinal de positivo com a cabeça e o assistente (que havia apontado impedimento inicialmente) afirma "pode deixar".

 

A leitura labial ainda mostra o assistente falando para o Sandro Meira Ricci: "Presta atenção, ainda tem gente aqui (reclamando da confusão), presta atenção, o gol é impedido, é impedimento". A decisão foi tomada após uma conversa final entre o árbitro e seus assistentes. "Pra mim, está impedido. Dá o impedimento", disse o auxiliar Emerson Carvalho.

No final, para revolta dos jogadores do Fluminense, o juiz decide anular o gol, justificando para os capitães, Réver e Gum: "Agora, é mais difícil explicar o que aconteceu, tá? Gum, a gente está fazendo o melhor, filho. Ô, filho, não faz isso, não. A gente está fazendo o melhor". 

No começo da confusão, os jogadores do Flamengo também tentaram pressionar o juiz alegando que a televisão mostrou que existiu o impedimento: "Aqui, ó, na televisão estava, sim! Estava, sim, estava, sim. Na televisão estava", gritou o zagueiro Rafael Vaz. "Estava impedido. A televisão falou", disse o lateral Jorge.

Ao Globoesporte.com, Sérgio Santos negou que tenha falado algo relacionado ao replay da televisão. "Tudo o que eu falei, na verdade, com o árbitro já está com a CBF. Essa leitura está errada. Em momento nenhum eu falei que o gol era inválido. Falei somente que a decisão era do árbitro. Eu realmente não falei isso. Deve ter havido algum engano na leitura, porque eu não falei isso. Até porque não sou ingênuo de falar uma coisa dessas", disse. 

O Fluminense espera provar que existiu interferência externa e anular a partida. O regulamento proíbe qualquer tipo de informação ao árbitro da partida, que deve tomar as decisões baseadas no que ele e seus assistentes enxergam. Em um caso semelhante, o Palmeiras recorreu ao Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para tentar cancelar um jogo contra o Internacional em 2012, ano que o clube paulista foi rebaixado. Na ocasião, o árbitro Francisco Nascimento foi informado pelo quarto árbitro Jean Pierre Gonçalves Lima que o gol do argentino Hernán Barcos foi de mão. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.