Léo Lima: 'Nosso elenco é muito melhor que o do São Paulo'

Autor do primeiro gol fala em superioridade, mas o técnico Vanderlei Luxemburgo prega o contrário

Agência Estado

20 de abril de 2008 | 20h35

O Palmeiras deu o troco no São Paulo. Após o fraco desempenho na primeira partida da semifinal do Paulistão, o time palmeirense se superou neste domingo no Palestra Itália. Os jogadores vibraram muito, Valdivia chegou a fazer um sinal de ‘cala a boca’ para os adversários após o segundo gol e alguns atletas se desentenderam em campo. Depois do jogo, Léo Lima foi além: "Com certeza nosso elenco é muito melhor que o do São Paulo."Veja também: Palmeiras faz 2 a 0 no São Paulo e vai à final do PaulistãoLéo Lima foi um dos melhores em campo no clássico deste domingo. Marcou, armou, chutou e fez gol. E, ao dizer que seu time é melhor que o do adversário, ele respondia ao zagueiro Alex Silva, que falou durante a semana que o São Paulo não perderia. "Ele tem de saber que não estava jogando contra qualquer um, não pode desmerecer", disse o volante palmeirense.A superioridade de elenco afirmada por Léo Lima vai contra às declarações do técnico Vanderlei Luxemburgo. Apesar de confirmar que sua equipe foi melhor neste domingo, o treinador não poupou elogios ao clube rival. "O São Paulo ainda está à frente do Palmeiras. Tem jogadores de alto nível, um grande treinador", analisou. "Sofremos para ganhar. Falta um pouco para chegarmos perto (do nível) do São Paulo."O treinador palmeirense gostou do desempenho de seus jogadores. "Minhas equipes sempre jogam bola e também são aguerridas e determinadas", declarou Luxemburgo, que neste domingo conseguiu anular a principal jogada do São Paulo: os cruzamentos de Jorge Wagner para Adriano. "Meu time neutralizou o que o São Paulo tem de melhor. Treinamos a semana inteira para isso."Apesar dos elogios, Luxemburgo também criticou sua equipe. Não gostou da displicência de Léo Lima numa jogada já no fim do jogo - "Ele quase entregou o gol para o adversário", reclamou o treinador - e das provocações de Valdivia ao adversário. "Falei que ele ia arrumar expulsão à toa. A gente tinha a vantagem, ele não tinha nada que entrar na confusão", contou o técnico, sobre o empurra-empurra que aconteceu assim que caiu a energia elétrica no Palestra Itália.SEM PROVOCAÇÃOSobre o gesto que fez logo após o gol, Valdivia afirmou não ter provocado o rival. O ‘cala-boca’, assegurou o chileno, foi para a própria torcida. "Eles (torcedores) já estavam falando em serem campeões e fiz assim para eles agüentarem um pouco", desconversou o ídolo palmeirense, já pensando no título. "O São Paulo é um grande time, mas nós tivemos mais fome. Depois do nascimento de minha filha, é a coisa mais importante para mim (ser campeão paulista no Palmeiras)."Apesar dos problemas neste domingo - com o gás no vestiário e a queda de energia elétrica -, o Palmeiras espera realizar a partida decisiva do Paulistão no Palestra Itália. "É sempre um privilégio jogar em casa", falou Luxemburgo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.