Leonardo já não contava com seleção

O volante Mauro Silva abandonou a seleção momentos antes do embarque para a Colômbia, quando o time ia disputar a Copa América. Irritou o técnico Luiz Felipe Scolari, que o havia chamado ser o líder e capitão do time do Brasil. Perdeu a sua chance. Ao convocar nesta terça-feira o grupo para o amistoso contra o Panamá, dia 9, e o "duelo" das eliminatórias frente ao Paraguai, dia 15, Felipão mostrou em quem aposta suas fichas no momento: o meia Leonardo, do São Paulo, de volta à seleção após 2 anos.Leonardo também já desertou a seleção, na Copa América de 1999, em Foz do Iguaçu. O motivo seria o fato de o técnico da época, Wanderley Luxemburgo, não ter lhe escolhido como capitão. Ele desmente. "Nunca tive problemas com o Luxemburgo. Saí por não ter me adaptado. Me sentia mal, talvez passasse pela crise dos 30 anos", conta o jogador.Na verdade, Leonardo gostaria de ser capitão para ter sua imagem em evidência e assim, poder realizar seus projetos filantrópicos. Ao lado de Raí, ele mantém a Fundação Gol de Letra, instituição que presta serviços a crianças carentes.Já Mauro Silva pediu dispensa alegando que a Colômbia estava em conflito e seria perigoso ir àquele país. Atitude normal, não fosse o momento em que a tomou, quando estava prestes a embarcar.A possibilidade de ser o líder do grupo aborrece Leonardo. "Chego para dar minha contribuição. Quem comanda é o Felipão", enfatiza o jogador. E esclarece que não é ?o salvador da pátria?. "A gente não estala os dedos e resolve os problemas, é preciso ter tempo para trabalhar."Mas esta será provavelmente a função do atleta, de 31 anos, na seleção. No São Paulo, foi contratado para auxiliar a "molecada". As palavras do técnico Nelsinho Baptista provam isso: "Ele vai ser importante pela experiência. Vai auxiliar tanto dentro quanto fora de campo." Contato - Leonardo comemorou sua volta à seleção. "Agradeço a lembrança, pensei que meu ciclo havia terminado." E sonha. "Vai ser bacana, porque poderei resgatar a admiração perdida." O meia ficou sabendo da convocação na manhã desta terça-feira, ao receber um telefonema de Scolari. "Foi bom nosso primeiro contato. Ele deixou transparecer ser uma pessoa sensata, que vai arrumar a seleção." Leonardo promete não "errar mais como em 99". "A partir de agora, vou deixar a seleção terminar comigo e não eu acabar com ela."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.