Leônidas, uma vida cheia de façanhas

Uma carreira polêmica mas acima de tudo brilhante como a de Leônidas da Silva, com certeza, gera momentos mágicos, trágicos e engraçados que ficam marcados no imaginário do futebol brasileiro. Confira abaixo algumas façanhas e curiosidades que fizeram do craque um dos maiores jogadores de todos os tempos.1) Leônidas da Silva e Ademir de Menezes detêm o recorde de gols num só jogo pela seleção brasileira em Copas do Mundo. O Diamante Negro fez quatro na vitória do Brasil sobre a Polônia por 6 a 5, na Copa de 1938, na França. Doze anos depois, o Queixada também marcou quatro na goleada de 7 a 1 sobre a Suécia.2) Na mesma partida contra a Polônia, em 1938, Leônidas da Silva entrou para a história ao marcar, na prorrogação, um gol com o pé descalço, que deu a vitória ao Brasil.3) A fama de Leônidas foi tão grande que até estádio com seu nome existe. Trata-se do campo do Bonsucesso, onde o Diamante Negro iniciou sua carreira de sucesso, com capacidade para 12 mil espectadores.4) Leônidas foi o autor do primeiro gol da seleção brasileira no estádio de São Januário, de propriedade do Vasco. A partida aconteceu em 15 de janeiro de 1939, com o placar surpreendente de Brasil 1 x 5 Argentina, pela Copa Rocca. Leônidas, aliás, conhecia bem este campo, pois cinco anos antes, tinha defendido o clube carioca.5) Leônidas foi o grande responsável pelo maior público já registrado na história do Pacaembu. A partida marcou sua estréia no São Paulo, contra o Corinthians, no dia 24 de abril de 1942. Foram 74.078 pagantes. No Tricolor paulista, o Diamante Negro, que foi contratado por 200 contos-de-réis, na época, a transação mais cara do futebol sul-americano, conquistou os títulos paulistas de 1943, 1945, 1946, 1948 e 1949.6) Leônidas da Silva talvez tenha sido o pioneiro num processo bastante comum hoje em dia no mercado publicitário: a utilização da imagem de jogadores de futebol para vender produtos. O sucesso do craque fez com que a companhia Sudan lançasse os cigarros Leônidas e a Lacta colocasse no mercado o chocolate Diamante Negro, até hoje um campeão de vendas.7) Aliás, a origem do apelido Diamante Negro até hoje gera polêmica. Alguns historiadores juram que foi dado por um jornalista, encantado com sua habilidade rara no trato com a bola. Outros garantem que tudo foi uma jogada de marketing do então mago das comunicações, Assis Chateubriand. Chatô, como era conhecido, teria criado o apelido para em seguida lançar pela Lacta, então de sua propriedade, um chocolate com este nome.8) Leônidas passou oito meses na cadeia em 1941, porque falsificou um certificado de reservista. No quartel não poderia jogar bola. Diz que foram os melhores meses da vida dele, já que todos na prisão, sem exceção, eram seus fãs, desde prisioneiros a oficiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.