José Méndez/EFE
José Méndez/EFE

Lesão muscular tira capitão da Coreia de duelo decisivo com a Alemanha

Ausência de Ki Sung-Yueng tornará mais complicada classificação que parece quase impossível para a seleção asiática

Estadão Conteúdo

24 Junho 2018 | 20h20

Não bastasse o fato de respirar por aparelhos no Grupo F da Copa do Mundo, a Coreia do Sul ganhou uma nova dor de cabeça neste domingo. O capitão da equipe, Ki Sung-Yueng, foi diagnosticado com uma lesão muscular e está fora da partida decisiva diante da Alemanha, na quarta-feira, em Kazan.

+ Após quebrar nariz, alemão Rudy é operado e usará máscara facial contra a Coreia

+ Autor de golaço, Son diz estar 'decepcionado' por derrota da Coreia do Sul

+ México bate Coreia do Sul, encaminha vaga às oitavas e pressiona a Alemanha

Sung-Yueng atuou durante os 90 minutos da derrota por 2 a 1 contra o México, no último sábado, mas reclamou de dores na panturrilha após a partida. O jogador do Swansea foi submetido a exames e teve a contusão diagnosticada. São duas semanas previstas para a recuperação, o que deve tirá-lo do restante da Copa caso a Coreia avance.

A ausência do capitão apenas tornará mais complicada uma situação que parece quase impossível para a Coreia. Sem pontuar em duas rodadas, a seleção asiática precisa vencer a atual campeã mundial Alemanha, torcer para que a Suécia bata o México e ainda superar no saldo de gols pelo menos duas destas três seleções.

"É verdade que a atmosfera do nosso time não ficou boa após a derrota de ontem, mas isto está no passado. Nós não vamos desistir, mesmo que haja 1% de chance", declarou o lateral-esquerdo Hong Chul neste domingo. "Se nosso técnico diz que podemos conseguir, os jogadores também estão tentando recuperar sua energia para fazer acontecer."

 

Neste domingo, os atletas sul-coreanos realizaram um treino regenerativo na parte interna de sua sede na Copa, em São Petersburgo, por causa da chuva que caiu na cidade. O técnico Shin Tae-Yong deve definir nos próximos dias o substituto de Ki Sung-Yueng.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.