David Klein/Reuters
David Klein/Reuters

Lesionado, Ramsey será desfalque contra o Valencia e não joga mais pelo Arsenal

Negociado com a Juventus, meia de 28 anos sofreu lesão muscular na coxa esquerda diante do Napoli

Redação, Estadão Conteúdo

01 de maio de 2019 | 20h58

Aaron Ramsey desfalcará o Arsenal contra o Valencia no jogo de ida das semifinais da Liga Europa, em Londres, às 16h, nesta quinta-feira. O jogador da seleção do País de Gales sofreu uma lesão muscular na coxa esquerda diante do Napoli, pelas quartas de final, e perderá o resto da temporada do time inglês. Com isso, o atleta de 28 anos não jogará mais pela equipe, já que assinou com a Juventus para a próxima temporada.

A informação foi confirmada pelo técnico Unai Emery nesta quarta, em entrevista coletiva anterior ao confronto diante do Valencia. Questionado sobre a possibilidade de Ramsey disputar a final do torneio europeu no dia 29 de maio, caso o Arsenal avance, o espanhol respondeu: "No momento, ainda estamos nas semifinais, mas a avaliação não é boa para esta data".

Se confirmar a passagem de fase, a decisão da Liga Europa será o compromisso final da equipe do norte de Londres na temporada 2018/2019. A final será disputada no Estádio Olímpico de Baku, no Azerbaijão. Desta forma, está confirmado que Ramsey não estará mais à disposição de Emery.

O galês assinou pré-contrato com a Juventus para a temporada que vem sem que o Arsenal tivesse alguma compensação financeira. O meia estava no fim de seu contrato e aproveitou a proposta da agremiação italiana, que se sagrou octacampeã italiana consecutivamente na mais recente edição da liga nacional.

A saída do clube da capital inglesa representa o fim de um ciclo de mais de 11 anos com a camisa vermelha. Contratado junto ao Cardiff City em 2008, Ramsey conquistou três Copas da Inglaterra com o Arsenal. O meia fez um texto de despedida em uma rede social.

"Me entristece dizer que o jogo contra o Napoli foi meu último com a camisa do Arsenal. Infelizmente me deixou com uma lesão que me tira dos jogos restantes. Estou muito decepcionado por não jogar até o final e dar tudo pelo clube enquanto ainda sou um jogador do Arsenal", disse. "Infelizmente, não está nas minhas mãos, mas eu queria agradecer aos fãs pelo apoio. Tem sido uma jornada incrível, dentro e fora do campo, e muita coisa aconteceu em 11 anos".

"Eu era um garoto mal-educado e estou deixando o clube como um homem, casado, pai de três filhos e cheio de orgulho e boas lembranças que vou adorar. Agradeço a todos do fundo do meu coração, por tudo", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.