Eduardo Nicolau/Estadão
Eduardo Nicolau/Estadão

Lesões põem em xeque intensidade de treinos da seleção brasileira

Douglas Costa, Danilo, Fred e Renato Augusto sofreram contusões durante a Copa do Mundo

Almir Leite e Marcio Dolzan, enviados especiais / Moscou, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 05h00

A série de lesões na seleção brasileira começa a colocar em xeque uma das principais premissas de Tite: a intensidade dos treinos. O elenco está reunido há 36 dias. Nesse período, Renato Augusto sofreu com dores no joelho, Fred sentiu o tornozelo direito, Danilo teve lesão no quadril e Douglas Costa sentiu a coxa após 39 minutos contra a Costa Rica. Ele havia entrado no intervalo do jogo.

+ Motor da seleção, Marcelo concentra jogadas de ataque do Brasil

+ Seleção brasileira chega a Moscou recebida por multidão e pelo Canarinho

Foi a própria mulher do atacante da Juventus, Louise Ramos, que colocou lenha na fogueira. Ela disse que o marido creditou a contusão à intensidade dos trabalhos, e que na Itália a carga é mais leve. Douglas Costa se apresentou à seleção machucado – contratura na coxa esquerda – e precisou fazer quase duas semanas de tratamento antes de poder treinar.

Tite é um defensor dos treinamentos intensos, com velocidade e movimentação. Diz que isso deixa os atletas preparados para o ritmo dos jogos. Por ocasião da contusão de Fred, ele justificou, em Viena, onde a seleção jogou o amistoso contra a Áustria: “Talvez se tivesse optado por treinos leves não teria machucado o Fred e talvez o Renato, mas é o preço da excelência”.

A comissão técnica tem consciência de que há jogadores desgastados fisicamente, até porque muitos se apresentaram após o fim da temporada europeia. “Sabemos que se cobra, se busca alta intensidade, mas sabemos também que têm atletas que precisamos controlar a carga de jogos”, reconheceu antes da Copa o auxiliar Sylvinho.

 

O controle tem sido poupar jogadores de treinos, deixá-los a cargo da fisioterapia e dar maior tempo de recuperação aos titulares. Quando treinam, no entanto, a intensidade prevalece. Douglas Costa nem sequer viajou a Moscou para o jogo contra a Sérvia. Ficou em Sochi com um fisioterapeuta – assim como Danilo.

O médico do Brasil, Rodrigo Lasmar, não credita a contusão do atacante à carga de treinos. “Ele é um atleta que tem uma explosão grande, não se dosa durante jogos e treinos, vai além do seu limite. Isso pode ser um fator a considerar. Mas pela própria característica do jogador, isso (a contratura) é uma fatalidade.”

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.