Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Leverkusen ameaça acionar Fifa para concluir contratação de Alario

Associação do Futebol Argentino (AFA) se recusa a entregar o certificado de transferência internacional

Estadão Conteúdo

08 de setembro de 2017 | 12h47

O Bayer Leverkusen disse nesta sexta-feira que acionará a Fifa para completar a transferência de Lucas Alario após a Associação do Futebol Argentino (AFA) se recusar a entregar o certificado de transferência internacional em solidariedade ao River Plate, que resiste a vender o jogador.

"A AFA se recusou a liberar Lucas Alario depois de conversar com o River Plate. O Leverkusen não entende as ações da associação e do clube. A recusa dos argentinos em liberar o jogador significa que o clube pode ir à Fifa para registrar Alario como jogador do Bayer 04", disse a equipe alemã em um comunicado.

Depois que o River rejeitou uma oferta inicial do Leverkusen de 14 milhões de euros (aproximadamente R$ 52 milhões), o clube alemão pagou na semana passada a cláusula de rescisão de 23,8 milhões de euros (R$ 88,6 milhões) para assinar com o atacante de 24 anos, que até já treinou com a equipe nos últimos dias.

O River pediu à AFA para que não liberasse o jogador, argumentando que o contrato foi rescindido de forma "unilateral" após a temporada ter começado na Argentina, o que segundo o clube vai contra o regulamentos da Fifa. O Leverkusen defende que a operação foi realizada dentro dos prazos legais.

A operação é ilegal e ilegítima e, nesse sentido, o clube continuará defendendo os interesses da instituição em todas as áreas e instâncias apropriadas", disse o River em um comunicado. "Assim mesmo, essa postura sustentada pelo clube e apoiada pela AFA representa uma defesa irrestrita do futebol argentino no plano global".

Alario chegou ao River Plate em 2015, após passagem pelo Colón, e desde então vinha sendo o artilheiro do time.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBayer Leverkusen

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.