Levir Culpi diz que Atlético foi castigado por perder chances

Levir Culpi diz que Atlético foi castigado por perder chances

Técnico acredita que seu time criou as melhores oportunidades da partida e que mineiros pagaram o preço por não ter matado o jogo

Estadão Conteúdo

22 de outubro de 2014 | 09h09

O técnico Levir Culpi avaliou que o Atlético Mineiro pagou um preço caro por desperdiçar muitas chances de gol na noite de terça-feira, no empate por 1 a 1 com o Bahia, na Fonte Nova, na abertura da 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. Para ele, o seu time foi superior ao adversário, mas falhou ao não "matar o jogo".

"Foi mais ou menos um castigo porque o jogo ficou muito aberto, principalmente no primeiro tempo, mas, depois, dominamos a partida, criamos as melhores oportunidades e poderíamos ter vencido. Pagamos o preço por não matar o jogo. Matematicamente, o resultado foi muito ruim, mas, pelo empenho dos jogadores, merecíamos um resultado melhor", analisou o treinador.

Levir lembrou que após abrir o placar com Luan, o Atlético-MG tinha o jogo sob controle, mas acabou cedendo a igualdade aos 39 minutos do segundo tempo, com o gol marcado por Guilherme Santos. "Criamos as situações, não finalizamos com perfeição e, por isso, pagamos esse preço", acrescentou Levir.

O empate deixou o Atlético-MG em terceiro lugar no Brasileirão com 51 pontos, mas o time pode ser ultrapassado nesta quarta-feira, no complemento da 30ª rodada, por Internacional e Corinthians. A equipe volta a entrar em campo no próximo sábado, no Independência, diante do Sport.

Para esse duelo, o Atlético-MG perdeu o zagueiro Edcarlos e o atacante Luan, suspensos pelo terceiro cartão amarelo, e o também atacante Diego Tardelli, que cumprirá suspensão automática pela expulsão no jogo com o Bahia. Além disso, o meia Guilherme, que foi substituído na partida de terça-feira por causa de dores na coxa direita, é dúvida para o confronto.

Levir, porém, evitou lamentar os mais novos desfalques do Atlético. "Isso já faz parte do trabalho desde o início, não fico preocupado, vamos escalar um time capaz de vencer. Não lamento as ausências porque tenho que me apoiar naqueles que podem jogar", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.