Bruno Cantini / Atlético-MG
Bruno Cantini / Atlético-MG

Levir elogia Elias e escala volante para o clássico entre Atlético-MG e Cruzeiro

Jogador pediu para se transferir do Atlético-MG e entrou em conflito com a diretoria do clube

Redação, Estadão Conteúdo

25 Janeiro 2019 | 15h49

Levir Culpi foi diplomático ao comentar a situação do volante Elias, que pediu para ser negociado pelo Atlético-MG. Nesta sexta-feira, a dois dias do clássico contra o Cruzeiro, no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, pela terceira rodada do Campeonato Mineiro, o treinador elogiou o profissionalismo do jogador e garantiu a escalação do meio-campista na partida.

"Não vai ser excluído. Porque não houve alteração nenhuma em relação à comissão técnica e aos companheiros. Pelo contrário, é um atleta exemplar", afirmou Levir Culpi, que deu a opinião dele sobre como são tratados os negócios no futebol entre clubes, jogadores e empresários.

"Temos de ver os dois lados. Se eu quiser sair do Atlético-MG, está aí o contrato. Você tem um compromisso, assinou. A gente sabe das responsabilidades que existem. Aí vai ao Corinthians, ao Flamengo. Chega ao Flamengo, tem uma proposta do Grêmio e vai querer sair de lá da mesma forma. Há um compromisso a ser seguido. E existem também muitas artimanhas fora do futebol. Tem o empresário, ele quer fazer negócio. Pra ele, tirar o jogador de um time e colocar em outro é a melhor coisa do mundo. Se puder fazer isso quatro vezes ao ano, com o mesmo jogador, ele faz porque ele ganha dinheiro com isso", discursou o treinador.

Levir Culpi, porém, disse que não tem reclamações a fazer sobre Elias. "Ele é um jogador exemplar, está sempre fazendo o melhor. É um cara bacana, muito legal de lidar. E eu estou feliz com ele aqui no Atlético-MG. Só que não sei o que vai ocorrer paralelamente e fico na expectativa. Mas eu conto com o atleta e acho que ele é um cara de qualidade, como pessoa também. Soma muito para gente", disse.

Sobre o clássico, marcado para as 11 horas deste domingo, Levir Culpi voltou a se queixar do horário e do calendário. "Não nos preparamos bem, mas de acordo com o tempo que tivemos. A mesma coisa o Cruzeiro, se tivéssemos a possibilidade de escolher uma preparação, com certeza seria bem diferente. Então, os dois times vão estar no início de competição, é um clássico, e ainda com um horário muito difícil para atividade física. Assim mesmo, esperamos um jogo bonito, tomara que seja assim, apesar das dificuldades", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.