Levir estréia contra o Vasco em crise

Com a expectativa de começar vida nova e buscar o título da temporada, o técnico Levir Culpi estréia no São Caetano contra o Vasco, neste sábado, às 16 horas, no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro. Se o time paulista vem de derrota em casa para o Botafogo, o time carioca sofreu o maior vexame de sua história em Brasileiros ao ser goleado pelo Atlético-PR por 7 a 2. Levir Culpi assumiu o cargo na quinta-feira em substituição a Estevam Soares, que se desgastou com alguns dirigentes, e o time foi dirigido pelo interino Dino Camargo em dois jogos - um deles na vitória sobre o São Paulo, no Morumbi. O novo técnico prefere uma linha otimista em seu discurso. "Acho que falar em título é uma realidade no São Caetano. Estamos até bem na tabela", afirmou Levir Culpi, que usou como parâmetro para as suas pretensões a atual líder da competição. "A Ponte Preta, por exemplo, tem uma boa estrutura, formou um bom grupo e está na ponta", concluiu. Duas baixas estão confirmadas no time. O volante Zé Luís, suspenso com três cartões amarelos, e o meia Canindé, contundido. Os volantes Pingo e Júlio César disputam a vaga de volante, enquanto Márcio Richards já foi confirmado como meia. Existia a possibilidade de Lúcio Flávio ser escalado, mas Levir optou por Richards, que vem apresentando um bom futebol. Outra mudança, de ordem técnica, no meio campo foi a entrada de Paulo Miranda no lugar de Claudecir. Na lateral direita, Alessandro, após cumprir suspensão, volta no lugar de Renaldo. O fato de enfrentar o adversário em crise não faz os jogadores do São Caetano pensarem numa partida fácil. Pelo contrário. O volante Paulo Miranda, que atuou em São Januário por dois anos, acredita numa enorme pressão por parte da torcida. "Enfrentar o Vasco tranqüilo já é um problema. Com eles em crise, a situação fica pior ainda. Acredito numa enorme pressão tanto dentro quanto fora de campo", disse o jogador. Tradicionalmente o Vasco é um eterno freguês. Em contrapartida, os cariocas já conquistaram o título da Copa João Havelange sobre os paulistas em 2000. Em nove jogos disputados entre ambos, o São Caetano venceu seis, empatou uma e perdeu duas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.