Levir trabalha para manter fé no Atlético

No último treino da semana passada, um dos maiores trabalhos do técnicos do Atlético Paranaense, Levir Culpi, era conter o otimismo exagerado e a ansiedade dos jogadores que não viam a hora de entrar em campo e, se possível, sair comemorando o título nacional.Agora, a situação é inversa. Está precisando se esforçar para fazer com que todos acreditem realmente nas palavras que saem fácil da boca, e que ainda é possível conseguir a vitória sobre o Botafogo e esperar um tropeço do Santos diante do Vasco, o que daria o título ao time paranaense."Eu costumo falar para eles que futebol é estado de espírito", diz o técnico. "O Objetivo é deixar todos concentrados e recuperar a auto-estima".Experiência para isso o técnico possui. Depois do empate por 3 a 3 contra o Grêmio, a situação era semelhante. O time conseguiu se superar e fez uma grande apresentação na vitória por 5 a 2 contra o São Caetano. " É assim que queremos nesse último jogo, contra o Botafogo".Irritado as vezes, sobretudo com as conversas fora de campo, que incluem acusação de que pessoas ligadas ao Atlético teriam oferecido dinheiro a jogadores do Vasco para vencer o Santos, o técnico garante que, " ninguém está conformado com nada". Queremos terminar da melhor maneira possível e a melhor maneira é procurar vencer e esperar o resultado do adversário. Pode acabar em título" , acentua.Mesmo porque um tropeço em Curitiba e a vitória do São Paulo pode jogar o Atlético para a terceira posição.Os jogadores apelam até mesmo para o sobrenatural. "Se for para o Santos sair campeão, beleza, " diz o meia Jadson. "Mas se Deus resolveu dar emoção a mais para a torcida do Atlético e para a gente, vamos ficar felizes." O jogador passa a ser a estrela da partida de domingo.Ele retorna após cumprir suspensão pelo terceiro cartão amarelo. " A parte técnica, a criatividade fica muito maior e ele é eficiente como peça ofensiva", elogia Culpi.Enquanto os jogadores tentam levantar o moral na concentração os torcedores atleticanos não perdem tempo ao demonstrar confiança em uma boa apresentação na Arena da Baixada. A diretoria acredita em casa cheia. Até a tarde de hoje pelo menos 16 mil ingressos tinham sido vendidos. "A torcida acreditando ajuda-nos a sair do abatimento e nos dá muita força", disse o atacante Washington. " Vamos nos empenhar ao máximo para que eles saiam contentes. "

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.