Liberado, Elano faz teste com bola

Elano foi liberado hoje pelo médico Carlos Braga e já correu em volta do campo em dois períodos. Amanhã, deverá fazer o teste com bola para saber se terá condições de jogar domingo contra o União São João de Araras. Leão aguarda a recuperação do jogador para depois pensar qual atacante ficará no banco. O mais provável é que, com a volta do meia, Basílio poderá deixar o time pelo menos no início da partida. Nesse caso, Robgol seria mantido. O técnico Leão tem gostado do desempenho do centroavante, mesmo estando seis partidas sem marcar. "É um jogador daqueles chatos, que nenhum zagueiro gosta de marcar". Ele tem aberto espaço para seus companheiros, que buscam responder com a ajuda para que desencante e faça seus gols. Diego comenta que "Robgol é um jogador muito experiente, que entende esse momento que está passando". Lembrou o caso de Alberto, que ficou nove partidas sem marcar. "Depois que começou, não parou mais e acabou fazendo o gol mais bonito do Brasileiro". Para Diego, essa fase do companheiro "é normal". "O importante é que ele tem jogado bem, tem procurado aproveitar as oportunidades, mas a bola está batendo e não entra. Independente de não marcar, tem ajudado bastante o time". Diego se divertiu com o fato de já estarem chamando Basílio de Basigol. "É merecido, porque ele está marcando gols importantes e o importante é que temos o Robgol, o Robingol e o Basigol". E com Diego. "Diegol também combina, mas vamos procurar provar lá dentro de campo e depois vocês colocam o apelido também. E todo mundo fica gol".Maturidade - Comparando o time deste ano com o do ano passado, Diego entende que houve aumento de opções. "Além disso, vieram bastante jogadores de grande qualidade, o entrosamento foi muito rápido e eu acredito que, com as opções que nós temos de jogadores para variar o esquema tático, a equipe não perde qualidade em qualquer aspecto". O meia acha que as contratações vieram em boa hora: "como teremos um campeonato longo como é o brasileiro e a libertadores, é importante ter um grupo muito forte como o nosso está agora". Com a chegada dos reforços, o perfil do grupo mudou. O Santos já não é mais o time dos Meninos da Vila, já que atletas mais velhos chegaram, mas esse é outro ponto considerado positivo por Diego: "também é um fator a mais que nos ajuda, apesar da equipe já ter adquirido grande maturidade e experiência no decorrer destes dois anos. Mas sempre quem vem para ajudar e para somar é muito importante e contamos que eles possam ajudar não só com a experiência. Mas também com a qualidade do futebol".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.