Libertadores atraiu Oswaldo de Oliveira

O técnico Oswaldo de Oliveira assumiu hoje o comando técnico do Santos e admitiu que a possibilidade de disputar a Libertadores da América foi um dos motivos que levaram a aceitar a proposta feita dia 31. "É um espaço que tenho lá na minha estante", disse ele, referindo-se ao troféu que ainda não conquistou. "E foi um fator que motivou muito minha vinda para o Santos". Mas já no primeiro dia no clube, foi tomado por uma preocupação: a tabela do Paulista e a do torneio continental, duas competições simultâneas. "Quando vi as tabelas, fiquei preocupado porque o Santos vai jogar com o Bolivar em La Paz, a 3.650 metros de altitude, numa quarta-feira, depois de, no domingo anterior, ter enfrentado o Corinthians. O time terá uma seqüência de oito ou dez jogos ininterruptos, sem espaço suficiente para fazer uma preparação". Essa preocupação de Oswaldo de Oliveira aumenta com a ansiedade dos santistas na conquista dos dois títulos. "Sei da ansiedade e até angústia de todo santista em conquistar a Libertadores e isso aumenta o desafio e nos dá uma vontade maior de fazer um trabalho eficiente para que o time chegue lá". Por conta do calendário, ele pode trabalhar com um grupo maior de jogadores, com até 30 atletas, sendo que 15 ou 16 em condição de ser titular. Ele não confirmou, mas pode poupar jogadores em partidas menos importantes do Paulista, mantendo a prioridade da Libertadores da América. Esse era o plano de Vanderlei Luxemburgo, que promoveu cinco atletas do Santos B, além dos três juniores que já haviam sido promovidos anteriormente. "Com a tabela do jeito que está, com a gente precisando estar aqui no domingo e na quarta-feira em La Paz, é humanamente impossível que os jogadores suportem isso e rendam o suficiente para ganhar uma seqüência de jogos. Vamos analisar bem isso e talvez iremos fazer um rodízio com 15 ou 16 titulares e não utilizar duas equipes".Tempo - Outro problema que preocupa Oswaldo de Oliveira é a falta de tempo para a pré-temporada, já que os jogadores ainda não sabem quando irão se apresentar e a primeira partida do Paulista está marcada para o dia 20. "Vamos ter um tempo muito curto para preparar a equipe para essa competição", disse ele, lembrando que, em contrapartida, tem clubes se preparando desde outubro. Pelas suas contas, o Santos terá três ou quatro dias de treino antes das estréia no Paulista, já que antes os jogadores passarão pelos exames médicos. Oswaldo de Oliveira confirmou a permanência de Serginho Chulapa e Gallo na comissão técnica e anunciou a contratação de seu irmão, Waldemar de Oliveira, como auxiliar técnico. Ele já pediu reforços: goleiro, zagueiro para substituir André Luís, meia substituto para Marcinho e um atacante, "que nunca é demais". Nessa segunda passagem pela Vila Belmiro - anteriormente, foi auxiliar técnico de Luxemburgo em 97 - Oswaldo de Oliveira vai se reencontrar com vários jogadores que já atuaram sob seu comando: Ricardinho (Corinthians e São Paulo), Deivid (Corinthians), Fabinho (Flamengo) e Flávio (Fluminense). Nesse último time, trabalhou também com Paulo César e André Luís, que estão deixando o Santos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.