Libertadores 'conforma' Inter depois de eliminação

Técnico se responsabiliza pela derrota na semi do Gaúcho e busca recuperação contra equipe equatoriana

AE, Agencia Estado

22 de fevereiro de 2010 | 11h31

A opção do técnico Jorge Fossati de escalar uma equipe formada por reservas contra o Novo Hamburgo, no último domingo, no Beira-Rio, na semifinal do primeiro turno do Campeonato Gaúcho, acabou custando caro ao time, que foi derrotado por 2 a 1 e está fora da decisão.

Após o confronto, porém, treinador, jogadores e dirigentes preferiram adotar um discurso conformista, já que a estratégia adotada no torneio estadual visou preservar a equipe que volta a campo já nesta terça-feira, contra o Emelec, do Equador, novamente no Beira-Rio, na estreia da Copa Libertadores.

"Tivemos que preservar jogadores para a partida de terça-feira. Não estou falando nada de novo. O Inter apresentou um futebol razoável contra um bom adversário. Infelizmente, pelo que eu vi no jogo, alguns erros da arbitragem nos prejudicaram. O principal deles foi o pênalti que na minha opinião não foi. E em um momento que estávamos melhor", disse Fossati, que depois preferiu não ficar lamentando o fato.

"Temos que ter a cabeça no lugar. Tenho que tirar as conclusões como treinador. Jogamos com um time improvisado. Sou responsável. Agora ninguém vai lembrar que tínhamos dois jogos muitos próximos. Vão lembrar que jogamos e perdemos. Parabéns ao Novo Hamburgo", reforçou.

Já o vice-presidente de futebol do Internacional, Fernando Carvalho, admitiu abatimento com a derrota na semifinal, mas lembrou que o foco atual é a Libertadores. "As críticas virão com certeza. Ficamos abatidos. Eu, particularmente, não gosto de perder nada. Mas terça-feira é outra história, outro campeonato, a torcida virá encher o Beira-Rio", ressaltou o dirigente.

"Queremos ganhar o Gauchão, mas sempre deixamos claro que a competição que nós iríamos priorizar era a Libertadores. Esse nosso abatimento não pode inibir o apoio ao Inter, nosso ''rugido'' do Beira-Rio", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.