Libertadores: descontrolado, Flamengo perde para o Nacional

Toró e Léo Moura são expulsos e deixam equipe carioca em situação delicada na competição intercontinental

Leonardo Maia, Agência Estado

06 de março de 2008 | 20h17

Mais um jogo fora de casa e mais um pesadelo para o Flamengo. A suposta lição que o time teria aprendido com a derrota para o Defensor por 3 a 0, no ano passado, foi ensinada mais uma vez nesta quinta-feira, na derrota para o Nacional, também do Uruguai, justamente por 3 a 0, pela terceira rodada do Grupo 4 da Copa Libertadores. O principal culpado, o total descontrole emocional dos jogadores rubro-negros, principalmente de Toró e Leonardo Moura, expulsos em lances absurdos quando o jogo ainda estava 1 a 0.Veja também: Classificação Calendário / ResultadosCom o resultado, o Nacional assume a liderança da chave, com seis pontos. O Flamengo cai para segundo com quatro, mas um jogo a mais do que o Cienciano, que soma três. Na próxima rodada, os cariocas recebem o mesmo Nacional no Maracanã, no próximo dia 19, e a vitória se transforma em obrigação absoluta.Como esperado, os uruguaios vieram para cima a partir do apito inicial. Mas bem postada, a equipe rubro-negra logo acalmou o jogo e passou a impor bom toque de bola. Kléberson e Juan levaram perigos em chutes de média distância, enquanto Diego Tardelli perdeu a melhor chance no primeiro tempo. O atacante fez boa jogada, driblou dois adversários, mas desperdiçou na marca do pênalti.O Nacional levava perigo em saídas rápidas e bolas alçadas na área. Ainda assim, Souza quase marcou ao cabecear por sobre o goleiro Viera, que defendeu com as pontas dos dedos. Mas uma saída errada de Íbson resultou no gol do Nacional. Aos 41 minutos, Romero arriscou de muito longe; Bruno falhou ao soltar bola nos pés de Richard Morales, que abriu o placar.Ainda havia muito tempo para o Flamengo reagir, já que tinha melhor controle de bola, mas Toró colocou tudo a perder ao agredir um gandula e ser expulso pelo árbitro, aos 43 minutos.O descontrole rubro-negro seria mais uma vez exposto quando Fábio Luciano deixou o pé intencionalmente para atingir um jogador adversário caído ao chão, em lance não percebido pelo árbitro. E novamente, logo aos cinco minutos do segundo tempo, Leonardo Moura entrou com a chuteira no quadril do adversário e foi merecidamente expulso, numa dividida no meio-de-campo.O técnico Joel Santana tirou Kléberson e colocou Jaílton, para tentar segurar o resultado negativo mínimo. Mas seria impossível evitar mais gols. Aos 22 minutos, depois de bate-rebate na área rubro-negra, a vantagem numérica prevaleceu e a bola sobrou para Morales fazer seu segundo gol. Dois minutos depois, Fornaroli cobrou falta na entrada da área, a bola desviou em Marcinho e enganou Bruno: 3 a 0. Daí até o fim foi o Flamengo tentando evitar mais gols, o que só não aconteceu por conta do goleiro rubro-negro.

Tudo o que sabemos sobre:
FlamengoCopa Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.