Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Libertadores é vital para o São Paulo não perder receitas

Caso o time não consiga ingressar na competição continental em 2009, perderá pelo menos R$ 7 milhões

Martín Fernandez - Jornal da Tarde,

11 de setembro de 2008 | 23h50

Liderados por Rogério Ceni, os jogadores do São Paulo já demonstraram o quanto temem ficar fora da Copa Libertadores do ano que vem. Mas o estrago de uma eventual não classificação para o torneio continental faria estrago em outras áreas do clube. As perdas podem se dar em várias frentes: queda nas bilheterias, menos exposição na TV, dificuldades a mais para negociar com patrocinadores e reforços.Veja também: Borges sofre entorse e é dúvida contra o FlamengoDê seu palpite no Bolão Vip do LimãoEstimativa da Casual Auditores aponta que pelo menos R$ 7 milhões deixariam de entrar nos cofres do São Paulo caso o time não consiga a vaga na Libertadores - competição que o clube disputa ininterruptamente desde 2004."Em termos de bilheteria, o São Paulo depende muito da Libertadores", explica Amir Somoggi, especialista em marketing e gestão de clubes da Casual. "É notório que o time precisa ir bem no campo para lotar o Morumbi".Somoggi baseia sua análise nos seguintes números: em 2007, quando o Fluminense ganhou a Copa do Brasil, arrecadou R$ 1,3 milhão em premiações ao longo do ano; no ano anterior, o Internacional, campeão da Libertadores e do Mundial, levantou R$ 13,6 milhões. Em 2005, o São Paulo amealhou R$ 13,3 milhões com os mesmos títulos do time gaúcho.A arrecadação com bilheteria dos jogos do São Paulo em 2006, quando o clube chegou à decisão da principal competição continental de clubes, atingiu R$ 18,5 milhões. No ano passado, quando o time caiu bem mais cedo na Libertadores (oitavas-de-final, diante do Grêmio), os ganhos com ingressos foram reduzidos para R$ 12,4 milhões no ano todo.Na avaliação de Somoggi, o São Paulo já deveria pensar num "plano B" para o caso de não chegar à Libertadores. Júlio Casares, vice-presidente de marketing, rechaçou a idéia. "Temos um grande plano diretor, com as principais estratégias, e é isso que a gente segue. Vamos dar seqüência ao que já está programado É muito cedo para pensar em ficar fora da Libertadores".MACAPÁNo elenco, a pressão já era grande por conquistar a vaga. O capitão Rogério Ceni declarou na semana passada que não se via jogando "em Macapá ou Manaus" - numa alusão aos lugares distantes de São Paulo que o clube pode freqüentar caso tenha de disputar a Copa do Brasil.Nesta quinta-feira, o meia Hugo disse concordar "totalmente" com o capitão. "Ele tem razão, o São Paulo não quer jogar a Copa do Brasil. A Libertadores é muito mais importante e também serve para valorizar os jogadores numa eventual negociação. A vaga virou obrigação para nós".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.